A Moldávia vai expulsar três diplomatas russos, no âmbito da ação internacional coordenada de resposta ao envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal no Reino Unido, anunciou esta terça-feira o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) moldavo. O embaixador russo em Chisinau, Farit Muhametshin, foi informado da decisão. A Moldávia, afirma o MNE num comunicado, considera o ataque a Skripal “uma ameaça à segurança coletiva e à lei internacional”.

Desde segunda-feira, mais de duas dezenas de países, incluindo mais de metade dos Estados membros da União Europeia, anunciaram a expulsão de diplomatas russos. Também a NATO anunciou hoje a expulsão de sete diplomatas russos. A ação, “a maior expulsão coletiva de agentes dos serviços de informações russos de sempre”, segundo o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson, é uma resposta ao envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal e da filha, Yulia, com um gás neurotóxico, a 4 de março em Salisbury, no sul de Inglaterra.