A prémio Nobel da Paz Malala Yousafzai regressou ao Paquistão pela primeira vez desde 2012, ano em que deixou o país depois ter sido baleada na cabeça pelos talibãs por defender a educação das raparigas. Malala disse estar muito feliz por regressar.

É o dia mais feliz da minha vida. Não consigo acreditar que que isto está a acontecer”, disse limpando as lágrimas, altura em que acrescentou “eu normalmente não choro… Eu tenho 20 anos mas já vi muitas coisas na minha vida”.

Malala viajou com o pai e o irmão mais novo até à residência do primeiro-ministro, Shahid Khagan Abbasi, em Islamabad, onde fez um pequeno discurso, algumas horas depois de chegar de surpresa ao Paquistão. “Nos últimos cinco anos sonhei sempre em poder voltar ao meu país”, disse comovida. Garantiu que vai continuar a fazer campanha pela educação das raparigas e pediu aos paquistaneses que se unam em questões como os cuidados de saúde e a educação.

Abbasi congratulou-se pelo regresso da militante dos direitos das mulheres, considerando que Malala “fez muito pelo nome do Paquistão” e que será respeitada no país, como foi no resto do mundo. “Quando ela se foi embora era apenas uma criança de 12 anos. E agora voltou como a mais proeminente cidadã do Paquistão”, afirmou.

A jovem de 20 anos, que estuda em Oxford, chegou à capital do Afeganistão, Islamabad, acompanhada pelos pais e sob fortes medidas de segurança. A visita deve durar quatro dias e o seu itinerário não foi divulgado “por razões de segurança”, indicaram as autoridades.

Malala viajou até à residência do primeiro-ministro sob fortes medidas de segurança.

Ignora-se se Malala se deslocará ao seu distrito natal de Shangla, ou à cidade de Mingora, onde ocorreu o atentado, ambos no vale de Swat, no noroeste. Malala Yousafzai abandonou o Paquistão entre a vida e a morte após a tentativa de assassínio realizada por militantes talibãs quando regressava da escola.

Tratada em Inglaterra, onde vive atualmente, tornou-se um ícone dos direitos das raparigas à educação, o que lhe valeu o prémio Nobel da Paz em 2014, em conjunto com o indiano Kailash Satyarthi.