Espanha

Em Ibiza há quem aceite trocar a renda da casa por sexo

542

Em Espanha há um anúncio a uma casa que está a despertar o interesse da imprensa. O proprietário escreveu que tem disponível uma casa em Ibiza para alugar, com "direito a sexo uma vez por semana".

Getty Images

Autor
  • Ana Luísa Alves

Um anúncio — que só esteve na internet durante umas horas — gerou indignação nas redes sociais: o aluguer de uma casa, em Ibiza, num prédio com  elevador, bar, garagem, terraço, onde até se aceitam animais… e onde é pedida, além da prestação mensal de 150 euros, uma relação sexual por semana com o proprietário, adianta o jornal El Espanhol.

O anúncio foi publicado na página milanuncios.com na semana passada. Ao fim de poucas horas foi eliminado, mas, como tudo o que acontece na internet fica na internet, o anúncio gerou uma onda de indignação nas redes sociais. Segundo adianta a Antena 3 Noticias, citada pelo mesmo jornal, o proprietário pedia fotografias aos interessados na casa, que, em apenas uma hora de anúncio, foram 22.

Ibiza é, há vários anos, um dos pontos de maior interesse turístico em Espanha. Com o aumento da procura têm aumentado também os preços das casas para alugar, e é, neste momento, uma das zonas mais caras para morar no país. Para contornar este problema, os proprietários tiveram de começar a tentar outras soluções para conseguir ter as habitações alugadas, como pedir sexo aos futuros inquilinos e baixar os preços, adianta o mesmo jornal.

“Uma prestação de casa pode ficar entre 1.100 e 1.500 euros, sendo que o salário médio nestas zonas se situa entre os 800 e os mil euros, ainda que eu fale de pisos com apenas 40 ou 50 metros quadrados”, refere Sergio Carrasco, advogado espanhol, especialista em direito civil, citado pelo El Espanhol. “A procura tem aumentado tanto que os proprietários das casa sabem que vão lucrar mais por ter a casa alugada durante cinco meses do que se fosse o ano inteiro”.

Sergio Carrasco contou também ao mesmo jornal, no ano passado, que a atual lei do turismo (em vigor desde 2012) proíbe o arrendamento turístico de uma série de casas, o que significa que, basicamente, só as casas de campo é que estão disponíveis para alugar.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)