Pedro Marques

Ministro das Infraestruturas antecipa normalização nos transportes aéreos

O ministro das Infraestruturas e do Planeamento antecipou a normalização do transporte aéreo, incluindo na TAP, face à melhoria do estado do tempo e à "estabilização laboral" na Europa.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O ministro das Infraestruturas e do Planeamento, Pedro Marques, antecipou a normalização do transporte aéreo, incluindo na TAP, face à melhoria do estado do tempo e à “estabilização laboral” na Europa. “Houve perturbações no tráfego [aéreo] ao longo destas semanas e acreditamos, tal como as outras companhias o estarão a tentar fazer, a TAP está profundamente empenhada em estabilizar essa situação rapidamente. A melhoria das condições climatéricas e a estabilização da situação laboral também vai de certeza ajudar a esse objetivo de nós todos”, disse.

À margem da apresentação do programa Casa Eficiente 2020, em Lisboa, o governante garantiu ser o “desígnio de todos a estabilização das condições globalmente na Europa, e nesta empresa também”, depois de ter enumerado as dificuldades causadas nos aeroportos europeus pelo mau tempo, greves e “situações laborais”. Questionado sobre atrasos e cancelamentos na transportadora aérea detida em 50% pelo Estado, Pedro Marques, enumerou a “situação relativa aos próprios aeroportos, as condições climatéricas”, afirmando que “tudo isso há de ajudar a estabilizar esta situação”.

“É a expectativa que todos temos de ter, mas não é uma realidade que seja apenas da TAP, foi uma realidade que afetou muitas empresas e o transporte aéreo nas últimas semanas, de forma abundante. Esperamos que rapidamente fique concluído”, acrescentou Pedro Marques. Acerca de uma data para ir ao parlamento, como pedido pelos partidos, para ser questionado sobre dezenas de cancelamentos de voos na TAP, o ministro respondeu estar “sempre disponível para prestar todos os esclarecimentos” solicitados e quando são marcadas as audições.

“E também hei de certamente prestar esses esclarecimentos no momento adequado e nessa altura esperarei estar completamente informado pela Comissão Executiva [da TAP] da situação porque a gestão operacional da companhia é uma competência, que a Comissão Executiva tem desenvolvido de forma cabal”, afirmou. A transportadora aérea nacional TAP cancelou 557 voos durante o primeiro trimestre, segundo dados fornecidos à Lusa pela empresa britânica de estatísticas OAG, que mensalmente divulga relatórios de pontualidade de companhias e aeroportos.

Em resposta a questões da agência Lusa, a empresa revelou o cancelamento de 75 voos da TAP em janeiro, enquanto em fevereiro verificaram-se 117. Em março, a transportadora registou 365 cancelamentos, segundo fonte da OAG, que agrega dados enviados por companhias aéreas e autoridades, tendo “apenas começado a receber [informações] da TAP nos últimos meses”.

No relatório público mensal, as estatísticas da OAG mostraram que em março 1,6% dos voos da TAP foram cancelados e que 57,6% das chegadas não sofreram atrasos superiores a 15 minutos, num mês com 10.875 voos. No ‘ranking’ da pontualidade, a transportadora estava no 151.º lugar entre 156 companhias. Neste mês, a mais pontual foi a T’way Air (Coreia do Sul) e a menos a Tassili Airlines (Argélia). Os acionistas privados da Atlantic Gateway detêm 45% da companhia aérea e os trabalhadores 5%.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Europeias: a excepção portuguesa

Jaime Nogueira Pinto

Em Portugal, por agora, o voto ficou – e, ao que tudo indica, ficará – mais ou menos onde estava. Mesmo se o longínquo fantasma do “regime fascista” já viu melhores dias, ainda é agitado e funciona.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)