Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma campanha da marca de refrigerantes Schweppes vestiu três mulheres com um vestido com sensores especiais para ver quantas vezes eram assediadas através do toque numa saída à noite. As três mulheres foram depois levadas para uma discoteca em São Paulo, no Brasil. A experiência mostra que, ao longo das 3 horas e 47 minutos que passaram na noite paulista, as mulheres foram tocadas 157 vezes apesar de terem pedido aos homens para não o fazerem. É assim que a empresa suíça pede “mais respeito” pelas mulheres.

[3 mulheres, 3 vestidos, 157 assédios na noite de São Paulo. Veja no vídeo]

O vídeo da marca de bebidas tem o título “Dress for Respect” e mostra a reação dos sensores cosidos no vestido ao toque dos homens que se aproximaram das mulheres. De acordo com as explicações do criador da roupa, sempre que um sensor é tocado ele envia informação através de wi-fi para um computador da equipa envolvida na experiência. As imagens da campanha permitem ver que os homens tocam nas coxas, na cintura, nas nádegas, nas costas e nos ombros das mulheres. E que insistem em fazê-lo mesmo quando as mulheres lhes dizem para não se aproximarem.

A campanha inclui ainda as histórias de assédio de algumas brasileiras — no Brasil 86% das mulheres dizem já ter sido assediadas no passado — e os conselhos que as três mulheres envolvidas na experiência dão aos homens que as queiram abordar sem que elas vejam essas abordagens como assédio. No fim, uma mensagem: “Que tal chegar com elegância, com inteligência, com humor e com respeito?”.

Em Portugal, estatísticas lançadas no início deste ano dizem que foram abertos 865 inquéritos pelo crime de importunação sexual em 2017, o que representa mais de dois inquéritos por dia e um aumento superior a 15% em relação aos dados de 2016. No entanto, nenhuma pessoa foi julgada desde que a importunação sexual foi discriminada como um crime à luz da lei portuguesa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR