Bugatti

480 km/h. Chiron já pode andar à velocidade máxima

O Bugatti Chiron, com 1.500 cv, está limitado a “apenas” 420 km/h, tudo porque os pneus podem não aguentar ritmos acima desta fasquia. A Michelin anunciou que já está a conceber um pneu para 480 km/h.

Não há muitos veículos capazes de ultrapassar 400 km/h, sendo o mais conhecido o Bugatti Chiron. Contudo, hiperdesportivos fabricados em séries ainda mais reduzidas do que esta marca francesa do Grupo Volkswagen, como os propostos pela Koenigsegg e Hennessey, também conseguem ultrapassar esta fasquia, mas estão (ou deveriam estar) igualmente limitados pelos pneus.

De momento, a única coisa preta, redonda e com um buraco ao meio que está homologada para velocidades acima de 420 km/h é produzida pela Michelin, que equipa de série a Bugatti e, por tabela, os outros fabricantes, que assim se vêem obrigados a utilizar o mesmo tipo de equipamento pneumático.

Com o Veyron, a questão da velocidade nunca foi muito falada. Aliás, foi para ele que a Michelin desenvolveu o tal pneu. Mas com o nascimento do Chiron, com 1.500 cv em vez de “apenas” 1.001 cv, os pneus saltaram para a ordem do dia. Tudo porque a velocidade máxima teórica do Bugatti passou a ser de 460 km/h, e tanto o fabricante do carro como o dos pneus concluíram que, se o objectivo era impor uma margem de segurança satisfatória, que permitisse atingir a velocidade máxima com tempo frio ou quente com a mesma segurança, então o melhor era limitar a velocidade a 420 km/h. A partir deste valor, o esforço devido ao aquecimento é brutal e dificilmente suportado pelo pneu. Pelo menos, com a actual borracha e tipo de construção.

Curiosamente, ou talvez não, a questão só foi um problema para a Bugatti, uma vez que os restantes construtores, a começar pela Koenigsegg, sempre fizeram vista grossa às limitações dos pneus, apostando que ninguém vai andar mais de 5 minutos consecutivamente a mais de 420 km/h, isto se alguma vez ousar atingir essa fasquia. Mas o Bugatti não só é mais pesado, como o grupo em que a marca está inserida tem bolsos mais recheados, a que possíveis processos judiciais se pudessem agarrar, caso acontecesse um acidente por estes motivos.

Para acabar com esta situação e permitir que veículos como o Chiron possam finalmente acelerar a fundo e durante o tempo que quiserem, a Michelin anunciou estar a produzir um novo pneu cujo limite está agora fixado nos 480 km/h (300 mph). “É um desafio muito mais complicado do que parece”, afirmou Eric Schmedding, da marca francesa de pneus, à Bloomberg.

Mas este novo equipamento pneumático, que certamente fará maravilhas à boa imagem de que a Michelin já usufrui, está a ser recebido com reacções diversas por parte dos três fabricantes mais directamente interessados. A Bugatti, pelo seu lado, continua a afirmar que o Chiron – que em breve deverá ser reforçado com versão Super Sport ainda mais potente e rápida – representa muito mais do que velocidade pura, com Stephan Winkelmann a ter declarado recentemente que “os testes de velocidade são interessantes, mas não a nossa maior prioridade”.

Por outro lado a Koenigsegg, que já atingiu 444 km/h com o Agera RS (numa versão especial ), prepara um novo modelo para 2019, que deverá apontar à fasquia dos 480 km/h, tendo como objectivo prioritário bater os concorrentes para o recorde de velocidade máxima. O mesmo acontecendo com a Hennessey, que está a preparar o Venom F5 de 1.600 cv, também ele capaz de aflorar os 480 km/h e a fazer questão de, se possível, ultrapassar o limite dos pneus.

Ao que parece, o ideal era a Michelin começar de imediato a trabalhar num pneu para rodar a 520 km/h, pois em matéria de velocidade máxima, entre os fabricantes mais exclusivos de hiperdesportivos e as empresas especializadas em tuning, o céu parece ser o limite.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)