Bugatti

480 km/h. Chiron já pode andar à velocidade máxima

O Bugatti Chiron, com 1.500 cv, está limitado a “apenas” 420 km/h, tudo porque os pneus podem não aguentar ritmos acima desta fasquia. A Michelin anunciou que já está a conceber um pneu para 480 km/h.

Não há muitos veículos capazes de ultrapassar 400 km/h, sendo o mais conhecido o Bugatti Chiron. Contudo, hiperdesportivos fabricados em séries ainda mais reduzidas do que esta marca francesa do Grupo Volkswagen, como os propostos pela Koenigsegg e Hennessey, também conseguem ultrapassar esta fasquia, mas estão (ou deveriam estar) igualmente limitados pelos pneus.

De momento, a única coisa preta, redonda e com um buraco ao meio que está homologada para velocidades acima de 420 km/h é produzida pela Michelin, que equipa de série a Bugatti e, por tabela, os outros fabricantes, que assim se vêem obrigados a utilizar o mesmo tipo de equipamento pneumático.

Com o Veyron, a questão da velocidade nunca foi muito falada. Aliás, foi para ele que a Michelin desenvolveu o tal pneu. Mas com o nascimento do Chiron, com 1.500 cv em vez de “apenas” 1.001 cv, os pneus saltaram para a ordem do dia. Tudo porque a velocidade máxima teórica do Bugatti passou a ser de 460 km/h, e tanto o fabricante do carro como o dos pneus concluíram que, se o objectivo era impor uma margem de segurança satisfatória, que permitisse atingir a velocidade máxima com tempo frio ou quente com a mesma segurança, então o melhor era limitar a velocidade a 420 km/h. A partir deste valor, o esforço devido ao aquecimento é brutal e dificilmente suportado pelo pneu. Pelo menos, com a actual borracha e tipo de construção.

Curiosamente, ou talvez não, a questão só foi um problema para a Bugatti, uma vez que os restantes construtores, a começar pela Koenigsegg, sempre fizeram vista grossa às limitações dos pneus, apostando que ninguém vai andar mais de 5 minutos consecutivamente a mais de 420 km/h, isto se alguma vez ousar atingir essa fasquia. Mas o Bugatti não só é mais pesado, como o grupo em que a marca está inserida tem bolsos mais recheados, a que possíveis processos judiciais se pudessem agarrar, caso acontecesse um acidente por estes motivos.

Para acabar com esta situação e permitir que veículos como o Chiron possam finalmente acelerar a fundo e durante o tempo que quiserem, a Michelin anunciou estar a produzir um novo pneu cujo limite está agora fixado nos 480 km/h (300 mph). “É um desafio muito mais complicado do que parece”, afirmou Eric Schmedding, da marca francesa de pneus, à Bloomberg.

Mas este novo equipamento pneumático, que certamente fará maravilhas à boa imagem de que a Michelin já usufrui, está a ser recebido com reacções diversas por parte dos três fabricantes mais directamente interessados. A Bugatti, pelo seu lado, continua a afirmar que o Chiron – que em breve deverá ser reforçado com versão Super Sport ainda mais potente e rápida – representa muito mais do que velocidade pura, com Stephan Winkelmann a ter declarado recentemente que “os testes de velocidade são interessantes, mas não a nossa maior prioridade”.

Por outro lado a Koenigsegg, que já atingiu 444 km/h com o Agera RS (numa versão especial ), prepara um novo modelo para 2019, que deverá apontar à fasquia dos 480 km/h, tendo como objectivo prioritário bater os concorrentes para o recorde de velocidade máxima. O mesmo acontecendo com a Hennessey, que está a preparar o Venom F5 de 1.600 cv, também ele capaz de aflorar os 480 km/h e a fazer questão de, se possível, ultrapassar o limite dos pneus.

Ao que parece, o ideal era a Michelin começar de imediato a trabalhar num pneu para rodar a 520 km/h, pois em matéria de velocidade máxima, entre os fabricantes mais exclusivos de hiperdesportivos e as empresas especializadas em tuning, o céu parece ser o limite.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]
Estados Unidos da América

O fim do trumpismo /premium

Paulo de Almeida Sande

Em Novembro não há apenas eleições para o Congresso dos EUA, está também em jogo o planeta, a escolha entre a cooperação frutífera e pacífica e um encarniçado nacionalismo, nativista e proteccionista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)