Trabalho

Costa pede “esforço de imaginação” para acordo de concertação social que concilie vida profissional e familiar

Pouco depois de assinar o acordo de concertação social para a alteração das leis laborais, António Costa pediu "imaginação" para lei que concilie vida profissional com vida familiar.

HUGO DELGADO/EPA

O Governo assinou esta segunda-feira à tarde o acordo de concertação social para a alteração das leis laborais, que vai ser debatido em Assembleia da República a 6 de julho. O primeiro-ministro, António Costa, disse que “a existência de um acordo de concertação social é por si só um bom sinal” e sublinhou que as leis que agora vão ser discutidas estão de acordo com o programa de governo.

“Este acordo de concertação social é particularmente importante para o Governo, porque revela um acordo entre os diferentes parceiros sociais e subscritores quanto a dois objetivos fundamentais do programa do governo. Por um lado, o combate à precariedade e à segmentação do mercado de trabalho; por outro lado, a necessidade de promover e dinamizar um diálogo social a todos os níveis”, disse o primeiro-ministro, após assinar o acordo que contou, entre outros, com a assinatura da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) e da União Geral de Trabalhadores (UGT). A Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP) optou por ficar de fora deste acordo.

Entre as principais alterações propostas pelo Governo estão a extinção do banco de horas individual, a duração dos contratos a prazo limitada a dois anos, a introdução de uma taxa adicional à Taxa Social Única (TSU) para penalizar empresas que abusem da contratação a termo e o alargamento do período experimental para 180 dias para os trabalhadores à procura do primeiro emprego e para os desempregados de longa duração.

Durante o seu discurso, António Costa abriu a porta a um novo e futuro entendimento com a concertação social que permita “combater a tendência demográfica que temos tido”. “É essencial assegurar a sustentabilidade do nosso próprio país e é por isso que agora, na condição de primeiro-ministro, me dirijo aqui aos parceiros sociais para que nos possamos concentrar numa discussão e construção de um grande acordo de concertação social que facilite a conciliação entre a vida profissional e a vida familiar”, disse.

Sem especificar quais, justificou esta necessidade com o exemplo de outros países, explicando que “em todos os países desenvolvidos onde foi possível inverter o ciclo demográfico que nós estamos a ter foram os países onde lograram encontrar melhores formas de conciliação entre a vida profissional e a vida familiar”.

Referindo que algumas das responsabilidades para chegar a esse fim depende do “setor público”, dando o exemplo do acesso à habitação acessível, a criação de uma rede creches ou a universalização do ensino pré-escolar, António Costa sublinhou que ainda assim é “absolutamente incontornável” que haja uma “criação de melhores condições para pais e mães poderem conciliara vida profissional com a vida familiar”. Para chegar a um entendimento deste tipo, António Costa pediu à concertação social “um grande esforço de imaginação”.

Também o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, disse que o conteúdo deste acordo “não esgota naturalmente tudo o que são as matérias que merecem a atenção [do Governo] na concertação social”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)