Rádio Observador

PSD

Primeiras jornadas da era Rio arrancam com metade dos deputados na sala

Primeiras jornadas da era Rio arrancam só com metade dos deputados. Sobre professores, Negrão recua e admite circunstâncias excepcionais. Sobre fogos, "o país está mais preparado" -- diz Álvaro Amaro.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O programa indicava que a sessão de abertura das jornadas parlamentares do PSD começava ao meio-dia, mas só às 12h34 é que foi dado o tiro de partida. São as primeiras jornadas desde que Rui Rio foi eleito líder do PSD e desde que Fernando Negrão foi eleito líder parlamentar, com apenas 39% dos votos, mas a afluência deixou a desejar. Pelo meio-dia a sala do hotel Lusitânia, na Guarda, ainda estava a meio gás, com apenas cerca de 40 deputados presentes, de um total de 89, e assim ficou até ao fim das intervenções de Álvaro Amaro, Carlos Peixoto e de Fernando Negrão. Hugo Soares, o ex-líder parlamentar afastado por Rui Rio e o rosto da oposição interna, foi uma das ausências notadas.

No arranque de dois dias dedicados à “Afirmação e Valorização do Interior”, o líder parlamentar do PSD optou por ler um discurso de 14 páginas, onde passou em revista vários dossiês em que “o Governo falhou, e continua a falhar”, desde o défice de políticas para o interior ao “desinvestimento” na saúde, culminando no caso da guerra com os professores. E foi aqui que Fernando Negrão admitiu uma nuance face ao discurso pró-professores que o PSD tem adotado: depois de, esta semana, Fernando Negrão ter afirmado que o governo prometeu pagar todo o tempo de serviço não contabilizado dos professores e, como tal, tinha de cumprir, agora já admitiu a existência de “circunstâncias extraordinárias”.

“O governo prometeu e agora vem dizer que não pode cumprir. O prometido é devido (…) e só circunstâncias extraordinárias podem justificar que assim não seja”, disse aos deputados, admitindo dessa forma que o tempo de serviço das carreiras docentes possa não ser contabilizado na íntegra se o governo admitir a existências dessas circunstâncias. “Se o governo considera que existem de facto essas circunstâncias extraordinárias, devia, no mínimo, começar por reconhecer a sua continuada política de austeridade e pedir desculpa aos professores e com eles recomeçar, de boa fé, as negociações centradas no essencial, que é a revisão dos respetivos estatutos”, acrescentou, iniciando uma narrativa na qual o PSD se poderá escudar para não ter de estar ao lado do Bloco de Esquerda e do PCP na guerra do governo com os professores.

Com cerca de metade da bancada ausente, Fernando Negrão lembrou ainda que Rui Rio — e o Conselho Estratégico do PSD –apresentou um conjunto de medidas de promoção da natalidade, onde propunha a gratuitidade das creches e uma espécie de abono de 10 mil euros por filho até aos 18 anos, pacote esse que o PSD vai continuar a promover. Fernando Negrão anunciou, nesse contexto, que o PSD marcou para o próximo dia 27 de junho um debate na Assembleia da República sobre o tema, para mostrar que “o PSD está a liderar a discussão”, o que não quer dizer que os sociais-democratas concretizem iniciativas legislativas sobre aquela matéria.

Ainda assim, o líder parlamentar do PSD deixa o desafio ao PS: “Esperamos que os restantes partidos, a começar pelo PS, tenham a mesma abertura de espírito para o diálogo e o mesmo sentido de responsabilidade do PSD, e possam assim pôr o desenvolvimento e a sustentabilidade do país à frente das suas próprias agendas e interesses”.

Incêndios. O “país está melhor preparado” ou o “Governo continua a falhar”?

Dedicadas ao tema da “valorização do interior”, e numa altura em que se assinala precisamente um ano desde a tragédia de Pedrógão Grande, que vitimou 66 pessoas, as jornadas parlamentares do PSD arrancaram desde logo com uma contradição sobre a atuação do Governo no capítulo dos fogos.

O convidado da sessão de abertura era Álvaro Amaro, aqui na qualidade de presidente da câmara da Guarda. Mas é também um dos nomes mais próximos de Rui Rio, que tem assento no núcleo duro do presidente do partido por ter sido designado coordenador do PSD para a área da descentralização. Álvaro Amaro falou antes de Fernando Negrão e, embora imputando responsabilidades ao Governo em funções pelas falhas de segurança ocorridas aquando das tragédias que marcaram o ano passado, deixou claro que “o país está melhor preparado” para o verão.

Oxalá que este ano não arda nada, mas todos sabemos que vai arder. Mas também sabemos vai arder menos, porque o país está melhor preparado. O Presidente da República tem razão“, disse o autarca da Guarda perante a plateia de deputados sociais-democratas.

Acontece que não foi isso que, minutos depois, Fernando Negrão tinha escrito para ler. “O governo falhou aos portugueses no ano passado, e o governo continua hoje a falhar aos portugueses”, disse, apontando o dedo ao “desinvestimento” do Governo, ao “défice de políticas para o interior”, bem como a falhas concretas de reabilitação e apoio às famílias e empresas dos concelhos mais afetados pelos fogos. “Ainda na semana passada ficamos a saber que os GIPS continuam com falta de material de proteção individual e sem uma única viatura média e pesada para intervirem no combate ampliado. O primeiro-ministro prometeu que por esta altura já estaria tudo pronto, e falhou”, disse Fernando Negrão, lembrando também a nova lei orgânica da Autoridade Nacional da Proteção Civil, “que já deveria estar pronta no final de março, e que continua por fazer”.

Numa lógica de exemplificar todos os pontos em que o “governo falhou” no capítulo dos incêndios, Fernando Negrão acusou ainda o Governo de ter apenas reconstruído “pouco mais de um décimo” do total de casas destruídas na região centro, e de se ter atrasado no apoio às empresas e atividades económicas afetadas.

Resumindo: “O governo mostrou total incapacidade na forma como lidou com os grandes incêndios do ano passado e continua a mostrar a sua incapacidade agora, na forma lenta como gere a resposta às necessidades das famílias e das empresas”, disse Negrão. “O governo parece não ter aprendido a lição do ano passado e não tem atuado com a diligência e a competência exigidas“, reforçou Negrão. Bem diferente do que tinha dito Álvaro Amaro minutos antes, onde tinha sublinhado inclusive que o PSD não tem feito — “e bem” — “política com o fogo”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)