Harvey Weinstein foi esta segunda-feira acusado de outros crimes de conduta sexual imprópria. Segundo o procurador distrital de Manhattan, Cyrus Vance, o ex-produtor de cinema terá cometido uma “agressão sexual predatória” com uma terceira mulher em 2006.

Weinstein, de 66 anos, foi formalmente acusado de violação e outros crimes de assédio a duas mulheres. O ex-produtor apresentou-se em tribunal em junho e afirmou estar inocente, num crime que pode valer até 25 anos de prisão. Weinstein saiu em liberdade depois do pagamento de uma fiança de um milhão de dólares (cerca de 858 mil euros) e com pulseira eletrónica.

Harvey Weinstein sai em liberdade depois de pagamento de fiança e com pulseira eletrónica

Agora, a “agressão sexual predatória” de que é acusado tem uma pena que pode ir dos 10 anos de prisão à prisão perpétua. “Esta acusação é o resultado da extraordinária coragem exibida pelos sobreviventes que se apresentaram. A nossa investigação continua”, afirmou Cyrus Vance, citado pelo Guardian.

O advogado de Weinstein, Benjamin Brafman, confirmou em comunicado que o ex-produtor “vai declarar-se inocente face a todas as acusações”, acrescentando que Weinstein reitera a falsidade de todas as acusações e “espera que seja feita justiça”.

Harvey Weinstein foi uma das figuras mais poderosas na indústria cinemática até ao ano passado, quando o The New Yorker e o The New York Times publicaram o testemunho de várias mulheres que o acusaram de assédio sexual em várias formas. O impacto das acusações feitas originou o movimento #MeToo.

História de Weinstein vai dar filme de terror