Donald Trump

Foi presa a atriz pornográfica que revelou alegada relação sexual com Trump

A atriz pornográfica Stormy Daniels foi presa num clube de striptease em Ohio. O advogado da atriz que acusa Trump de ter tido um caso consigo afirma tratar-se tudo de "uma encenação".

Getty Images

A atriz pornográfica, Stormy Daniels, que revelou um alegado envolvimento sexual com Donald Trump, foi presa num clube de striptease, em Ohio, por ter deixado um dos clientes do clube tocar-lhe enquanto se encontrava em palco, o que constituiu um crime naquele Estado norte-americano. O seu advogado, Michael Avennatti, afirmou que a acusação é “políticamente motivada” e de se tratar de “uma encenação”.

Stormy Daniels encontrava-se num clube de striptease em Columbus, Ohio, quando terá sido tocada “de uma forma não sexual”, segundo o seu advogado. A acusação deve-se a uma lei do estado de Ohio chamada de “Community Defence Act” (Lei de Defesa Comunitária, em português) que proíbe alguém de tocar numa bailarina que esteja nua ou parcialmente nua, a menos que se trate de um membro da sua família.

Numa série de publicações feitas no Twitter em que se pronunciou sobre o caso, Michael Avennatti, questionou as motivações por detrás desta detenção, afirmando que esta “tresanda a desespero”. O advogado sublinhou ainda que irão “lutar contra todas as as acusações”.

Stormy Daniels, nome artístico de Stephanie Clifford, acusou o presidente norte-americano de ter tido relações extraconjugais com ela quando era casado em 2006 e de ter recebido 130 mil dólares para manter o seu silêncio. Donald Trump negou sempre estas acusações, apesar de raramente se pronunciar sobre o caso.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Moçambique

A extradição de Chang e o futuro da Frelimo

Manuel Matola

Apesar da complexidade do caso e da gravidade das acusações contra Manuel Chang, uma eventual extradição para Moçambique garantiria de que o processo-crime que corre em Maputo teria uma morte natural.

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)