Governo

Portugal devia ter 33 meios aéreos permanentes de combate a incêndios

Relatório interministerial Defesa-Adminstração Interna prevê a compra de quatro Canadair e o fim do recurso ao mercado para assegurar o dispositivo anual de combate aos fogos.

PAULO CUNHA/LUSA

Um relatório que contou com contributos do Ministério da Administração Interna e do Ministério da Defesa, e que foi encomendado depois dos incêndios do ano passado, prevê que o dispositivo ideal para o combate a incêndios em Portugal deve passar pela existência de 33 meios aéreos próprios e permanentes, refere o Diário de Notícias. Desse dispositivo constam quatro aviões Canadair e seis drones.

No cenário traçado por elementos técnicos dos dois ministérios, entregue à tutela política a 9 de março, o dispositivo final de 33 meios aéreos ficaria concluído em 2022 e prevê ainda a existência de quatro helicópteros ultraligeiros e nove helicópteros ligeiros, além da compra de aviões anfíbios de pequena dimensão (vulgarmente conhecidos como Fire Boss).

No próximo ano, 11 dessas aeronaves já estariam disponíveis — entre sete helicópteros ligeiros e quatro Fire Boss –, de acordo com o “cronograma de implementação” do relatório a que o Diário de Notícias teve acesso. Em 2020, haveria já 24 meios aéreos disponíveis, até ao total de 33 aviões, helicópteros e drones, em 2022.

A avaliação repartida entre Defesa e Administração Interna resulta da decisão do Governo de passar para a esfera da Força Aérea a gestão dos meios aéreos usados no combate aos fogos, no ano passado. E transparece uma mudança de paradigma face à situação atual, em que a resposta aos incêndios decorre, de forma substancial, do recurso a contratação externa de meios aéreos.

A solução encontrada pelo MAI para responder à contratação de meios aéreos para este ano, recorrendo a ajustes diretos que permitissem chegar aos 55 meios previstos no Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais, tem custos elevados. Custos que já levaram o PS a acusar as empresas do setor de “cartelização”, apresentando preços acertados entre si e acima do custo real das operações.

Um dispositivo próprio e permanente permitia, de acordo com os defensores deste modelo, reduzir custos para o Estado, que ficava assim livre de recorrer ao mercado para assegurar a maior parte dos meios aéreos de combate a incêndios.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt
Governo

Foi você que pediu um copo de oposição? /premium

Maria João Avillez
356

Os socialistas nunca mudam para melhor: na ex-AD não havia dinheiro pois a governação PS tinha dado cabo dele. Hoje começa a não haver dinheiro porque os mesmíssimos socialistas estão a dar cabo dele

Empresas

Gerir sem KPIs

José Miguel Pinto dos Santos

O que faz um grande gestor? Não é, certamente, o controlo dos KPIs. Então qual a essência da boa gestão? Em vez de uma definição, fica aqui um exemplo retirado de numa antiga crónica japonesa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)