Rádio Observador

Eclipse

As melhores imagens do eclipse lunar que só volta a acontecer em 2123

1.172

Depois desta noite, só em 2123: a sombra do nosso planeta ocultou a Lua durante uma hora e 42 minutos. Em Portugal, a neblina estragou os planos de muitos. Mas há imagens incríveis à volta do mundo.

A Terra passou entre o Sol e a Lua e a sombra do nosso planeta ocultou totalmente o satélite natural terrestre durante uma hora, 42 minutos e 57 segundos: algo que não voltará a acontecer até pelo menos 2123. Mas tudo se tornou mais especial com a passagem da Lua na região mais escura da sombra da Terra. Nesta altura, a Lua voltou a aparecer mas, desta vez, em tons avermelhados.

Mas a Lua não foi a única protagonista no céu desta noite. Marte, que está especialmente mais brilhante nos meses de verão de 2018, esteve mais nítido e não vai voltar a estar assim até, pelo menos, 2035.

Em Portugal, o eclipse e os tons avermelhados da Lua foram pouco visíveis: a neblina não deixou observar da melhor maneira o eclipse do século. Ainda assim, dezenas de pessoas juntaram-se no Observatório do Lago Alqueva, junto a Monsaraz, no terraço do Teatro Romano, em Lisboa, em Sines e em Coimbra. Na capital, foi mesmo possível observar o fenómeno em conjunto com investigadores do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço.

Na Alemanha, as imagens são impressionantes e também o céu ganhou o mesmo tom vermelho. No Paquistão, no Egito, em Gaza ou no Quénia, as condições meteorológicas facilitaram a observação do eclipse do século.

Mas porque é que Lua não desapareceu e ficou vermelha? Por dois motivos. O primeiro é a refração da luz pela atmosfera. Ou seja: a luz é refletida pelas camadas que compõem a atmosfera e prolonga-se pelo espaço. Esta noite, a Lua também estava na direção da luz projetada, o que fez com que também ela ficasse vermelha.

O segundo motivo chama-se Dispersão de Rayleigh, ou, por palavras mais simples, a dispersão de qualquer radiação eletromagnética (como, por exemplo, a luz) por partículas mais pequenas do que o comprimento de onda dessa radiação.

Em Portugal, a Lua deixou de estar avermelhada por volta das 23h20 mas o fenómeno só terminou já perto das 00h30. O eclipse lunar foi totalmente visível na África Oriental e na Ásia Central, na América do Sul, na África Ocidental, na Europa, na Ásia Oriental e na Austrália. América do Norte e Central foram as únicas regiões que passaram à margem do eclipse do século.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Ambiente

Ser ambientalista agora é muito fácil

Salvador Malheiro

Qual é a estratégia de descarbonização quando, neste mandato, o Bloco quis a todo o custo taxar as energias renováveis, se opôs à construção de barragens, à energia eólica e à exploração de lítio?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)