Autoridade da Concorrência

Super Bock rejeita infração à lei da concorrência e lembra que ainda não foi condenada

Super Bock rejeita "categoricamente" acusação da Autoridade da Concorrência de infração às regras da concorrência por impor preço mínimo aos distribuidores e destaca que não há decisão de condenação.

FERNANDO VELUDO/LUSA

A Super Bock Bebidas “rejeita categoricamente” a acusação da Autoridade da Concorrência de prática restritiva da concorrência, sublinhando que não cometeu qualquer infração. Em comunicado, a empresa que é visada numa nota de ilicitude (acusação) numa investigação do regulador da concorrência, sublinha que esse passo ainda não determina o resultado final do inquérito que foi iniciado em 2016, ou seja, não é uma condenação.

A empresa realça igualmente que irá exercer o seu direito de defesa “convicta que lhe será reconhecida a conformidade das suas práticas.” A Super Bock está a ser investigada por imposição de preços mínimos aos distribuidores na venda de cerveja em restaurantes, cafés e hotéis. Segundo a nota de ilicitude divulgada esta sexta-feira, esta prática durará há pelo menos 12 anos. No processo onde ainda não há uma condenação são igualmente visados seis administradores.

A Super Bock garante que sempre pautou a sua conduta pelo cumprimento das regras da concorrência e lamenta o teor do comunicado da Autoridade da Concorrência que, diz, “põe em causa o seu bom nome e reputação, num processo ainda em curso, sem qualquer decisão final proferida”. Refere igualmente que irá usar todos os meios para defender a sua idoneidade e a dos agentes envolvidos, não obstante estar disponível para colaborar com as entidades competentes.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Partidos e Movimentos

Seja bem-vinda, "Iniciativa Liberal"

Mário Pinto

Saudamos o Manifesto da Iniciativa Liberal, mesmo não partilhando muitas das suas propostas. Saudamos em especial a defesa do princípio da subsidiariedade, base para a "democratização da democracia".

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)