Regularmente, a consultora EY (que dantes conhecíamos por Ernst & Young) divulga relatórios onde analisa o balanço dos principais construtores automóveis do mundo. O último desses relatórios incide no exercício referente ao segundo trimestre deste ano, sendo o mais surpreendente o facto de, nesse período, a Suzuki ter ultrapassado a BMW no que toca ao lucro operacional.

Foi por um triz, mas ainda assim os números não mentem: enquanto a BMW ganhou 11,4 euros em cada 100 euros de vendas que realizou, o construtor nipónico amealhou mais… 40 cêntimos (11,8 euros). Com uma margem de lucro de 11,8% contra 11,4% da BMW, a Suzuki ascendeu à liderança da tabela dos fabricantes automóveis mais rentáveis.

O resultado positivo do construtor japonês explica-se, em grande parte, pelo seu desempenho na Índia, onde a Suzuki não só lidera, como o faz cada vez com maior peso no mercado –, por lá, são suas as sete primeiras posições no ranking de carros mais vendidos em 2018.

Segundo a Ernst & Young, esta troca de posições reflecte os problemas enfrentados pela indústria automóvel alemã como um todo, nomeadamente as consequências do Dieselgate, que acabaram por afectar as vendas de carros a gasóleo, mas também a “guerra” comercial travada entre os Estados Unidos e a China. Sem esquecer as perdas geradas pelos efeitos cambiais. A consultora diz ainda esperar que “os ventos contrários” aos fabricantes germânicos continuem a afectá-los no segundo semestre do ano. Uma previsão que, a confirmar-se, significa que os construtores franceses e japoneses são os que maior proveito podem tirar deste cenário desfavorável aos alemães.

De notar que, embora a Suzuki esteja à frente no segundo trimestre de 2018, considerando o acumulado dos primeiros seis meses do ano, a BMW ainda é a marca com maior lucro operacional. Resta saber se manterá esse estatuto, caso as previsões da EY venham a materializar-se.