Rádio Observador

Diplomacia

Secretário de Estado das Comunidades visita Venezuela em Outubro

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, anunciou que vai encontrar-se hoje com o seu homólogo venezuelano em Nova Iorque e que o secretário de Estado das Comunidades irá visitar a Venezuela no início de outubro.

Mariscal/EPA

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, anunciou que vai encontrar-se hoje com o seu homólogo venezuelano em Nova Iorque e que o secretário de Estado das Comunidades irá visitar a Venezuela no início de outubro.

O ministro falava aos jornalistas na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, a propósito da detenção de portugueses e lusodescendentes gerentes de supermercados na Venezuela, que qualificou de “ofensiva das autoridades venezuelanas contra o setor da pequena e média distribuição”, que exige uma reação com “firmeza” por parte de Portugal.

“Tenho marcada para amanhã [segunda-feira] uma reunião bilateral com o meu colega venezuelano, em que evidentemente essa questão será uma das questões essenciais. E o secretário de Estado das Comunidades visitará a Venezuela nos princípios de outubro para reunir com as comunidades e com os empresários portugueses e para, ‘in loco’, aprofundar o nosso conhecimento e a nossa ação nesta situação”, declarou.

Augusto Santos Silva tinha ao seu lado o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que afirmou acompanhar e apoiar “todas as diligências do Governo” sobre esta matéria.

“Há uma sintonia total, quer na preocupação, quer naquilo que se pode ir fazendo para enfrentar uma situação que tem de ser tratada com toda a delicadeza, com todo o bom senso que as circunstâncias impõem”, acrescentou Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado e o ministro dos Negócios Estrangeiros tinham estado num encontro com o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, no domingo à noite, já de madrugada em Lisboa. Segundo o ministro, o Governo tem mantido contacto com as autoridades venezuelanas “desde quinta-feira passada, diariamente”, mas os esclarecimentos prestados por estas “são muito escassos e muito insatisfatórios”.

“Esta, do nosso ponto de vista, ofensiva das autoridades venezuelanas contra o setor da pequena e média distribuição põe diretamente em causa interesses portugueses. E, portanto, Portugal só pode reagir como está a reagir: com firmeza”, defendeu.

Interrogado sobre a saída de portugueses e lusodescendentes da Venezuela, o ministro referiu que “não tem aumentado” e que a estimativa do Governo é que nos últimos dois anos “cerca de dez mil” tenham abandonado o país, “metade para Portugal, continente e, sobretudo, Região Autónoma da Madeira, e outros cerca de cinco mil para países limítrofes, o Panamá, o Brasil, a Colômbia”.

“Agora, o que mais nos preocupa hoje é a situação daqueles que estão na Venezuela, não daqueles que saíram. Na Madeira têm sido integrados de forma exemplar, no continente português também, nos países limítrofes nós não temos relatos de portugueses em dificuldades”, acrescentou.

O ministro realçou que na Venezuela vivem ainda “várias centenas de milhar” de portugueses, luso-venezuelanos e venezuelanos descendentes de portugueses, que enfrentam uma situação económica e social “muito grave”, com “problemas de abastecimento básicos de alimentos ou medicamentos”.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, por sua vez, elogiou a ação do executivo, mencionando que o ministro dos Negócios Estrangeiros “desenvolveu várias diligências e mostrou a sua preocupação ao próprio representante diplomático em Lisboa” e que “até a esse propósito foi divulgado um comunicado do Governo português”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)