O presidente da concelhia do CDS de Ovar, Fernando Camelo de Almeida, foi alvo de um “disparo de arma de fogo” quando chegava a casa, na madrugada da última sexta-feira. Na queixa apresentada na PSP, a que o Observador teve acesso, o dirigente centrista considera que o disparo — feito a “dois, três metros” de distância mas que não o atingiu — terá sido “fortuito”, mas não descarta a hipótese de tratar-se de uma tentativa de “intimidação” política.

O conselheiro nacional do CDS, descreve a queixa, tinha acabado de sair do seu carro e preparava-se para cruzar a rua, minutos depois da meia-noite. Nesse momento, vê aproximar-se um Renault 9, castanho, com três pessoas no interior. “A janela traseira do lado esquerdo estava aberta” e, quando o carro está a passar por Fernando Camelo de Almeida, o condutor abranda a marcha.

Um suspeito [colocou] o braço de fora para fazer aquilo que lhe pareceu ser um disparo de arma de fogo”, refere a queixa.

Depois do disparo, o carro acelera e segue viagem, e o centrista dirige-se à esquadra da PSP para formalizar a queixa por crimes contra a liberdade pessoal. No relato que faz do episódio — e ainda com um zumbido intenso no ouvido do lado esquerdo, dada a “proximidade” a que os disparos foram feitos –, Fernando Camelo de Almeida considera ter-se tratado de “uma situação fortuita”. Mas deixa a “salvaguarda” de que o pudessem querer “intimidar” com o disparo, “em virtude da sua grande participação política” no concelho de Ovar.

Ao Observador, o dirigente local reitera que a convicção de que o disparo, feito a dois metros de distância, “terá sido ocasional, como seria de qualquer pessoa que estivesse naquele local, aquela hora”. Mas acrescenta que “todas as possibilidades foram equacionadas e, agora, as autoridades darão o devido seguimento” à queixa que apresentou logo naquela madrugada.

Camelo de Almeida descreve Ovar como uma “cidade muito pacata”, onde episódios como os de esta semana semana não são um acontecimento “normal” e, por isso, o  dirigente centrista tem dificuldades em encontrar explicações. “Se foi um episódio ocasional, como acredito que tenha sido, talvez possa não ter passado de uma brincadeira de mau gosto em que o alvo era quem aparece à frente”. Mas, ressalva, “se não tiver sido o caso, o que não quero acreditar, sinceramente tenho ainda maior dificuldade em encontrar uma justificação” para o disparo.

Do ponto de vista pessoal, não há qualquer possibilidade que pudesse originar tal coisa e, do ponto de vista político, tenho um papel muito ativo na política local. Tenho plena consciência de que desperto muitos ódios e isso é sabido por muita gente, mas não quero acreditar que possa haver alguma ligação entre este episódio e esses ódios vindos da política”, diz ao Observador.

Além de presidente da concelhia do CDS em Ovar, Fernando Camelo de Almeida é deputado municipal eleito pelo CDS para a Câmara Municipal de Ovar, uma autarquia presidida por Salvador Malheiro, vice-presidente de Rui Rio no PSD e um palco em que o centrista tem protagonizado alguns combates mais acesos.

A última intervenção sobre o município tinha sido partilhada nas redes sociais horas antes do episódio à porta de sua casa. No Facebook, o dirigente local do CDS refere-se a um “município mergulhado num marasmo assustador, que agora, nem os cuidados mínimos, como a preservação e limpeza dos espaços públicos existem”.

#DiaMundialDoTurismo#QualTurismo? Ovar tem uma localização privilegiada, tem uma riqueza natural e patrimonial de…

Posted by Fernando Camelo de Almeida on Thursday, September 27, 2018

Antes do disparo, o dirigente do CDS já tinha vivido outras situações de contornos pouco claros. Só este ano, por três vezes Fernando Camelo de Almeida detetou “danos” no seu automóvel, refere a mesma queixa.

Convicto de que se tratou de um “episódio casual e esporádico”, Fernando Camelo de Almeida separa o caso mais recente (e grave) da tais marcas que foi encontrando no seu carro pessoal ao longo do ano. “Uma coisa é uma maldade feita por gente cobarde numa viatura. Coisa diferente, é o disparo de um tiro a cerca de dois metros de distância de uma pessoa”, distingue. “Quero acreditar que os episódios não estejam relacionados, mas como é normal, todas as possibilidades estão colocadas em cima da mesa”, continua a dizer.