Estados Unidos da América

Gigante do retalho americano Sears declara falência

Empresa não conseguiu cumprir com o pagamento de mais de 100 milhões de euros previsto para segunda-feira e declarou falência. Afetada pelo comércio online, a cadeia não tinha lucros desde 2010.

Vendas da Sears caíram 60% desde o ano de 2010, último em que teve lucro

Getty Images

A cadeia de retalho norte-americana Sears, em tempos um gigante do comércio nos EUA, declarou falência na madrugada desta segunda-feira. O documento que atesta a decisão foi entregue num tribunal de Nova Iorque, no mesmo dia em que era devido um pagamento de dívida no valor de 134 milhões de dólares (115 milhões de euros), que a Sears não estava em condições de cumprir.

Em comunicado, o gestor de fundos de investimento Edward S. Lampert, responsável pela empresa, reconheceu que o plano que traçou para a Sears “não trouxe ainda os resultados” que esperava. Contudo, disse ter esperança que o processo de falência possa ajudar a empresa a livrar-se das dívidas que a atormentam e a recuperar.

À medida que nos aproximamos da época natalícia, as lojas da Sears e da Kmart [empresa que foi submetida a um processo de fusão com a Sears em 2005] continuarão abertas e os nossos dedicados funcionários estão prontos para servir os nossos membros e clientes”, afirmou Lampert.

Apesar do aparente otimismo de Lampert, a Sears também anunciou, de acordo com a CNN, que irá fechar pelo menos 142 lojas até ao final do ano — para além das 46 cujo encerramento já estava decidido.

A estratégia de gestão de Lampert, que tem vendido várias marcas e partes da empresa ao longo dos anos, tem sido questionada. Só na última década, a Sears eliminou mais de 200 mil postos de trabalho, à medida que lutava contra uma competição mais aguerrida por parte dos gigantes do comércio online como a Amazon, bem como contra uma dívida crescente.

De símbolo do retalho americano a empresa em queda livre

O retrato da empresa era, por isso, bem diferente daquele que muitos norte-americanos chegaram a conhecer. Fundada no século XIX, após o fim da Guerra Civil americana, a Sears, Roebuck & Company começou por vender para todo o país por catálogo, mas rapidamente se expandiu para várias lojas físicas. Na Sears, era possível comprar produtos de todo o tipo, desde eletrodomésticos a joias, passando por bens como bicicletas ou até mesmo automóveis. A empresa manteve à mesma um serviço de venda postal, enviando produtos para todo o país.

No pós-II Guerra Mundial, como recorda o New York Times, as lojas da Sears tornaram-se um símbolo da prosperidade económica agora acessível à classe média. “Há gerações de pessoas que cresceram com a Sears e agora isso já não é relevante”, analisou ao mesmo jornal Craig Johnson, presidente da consultora Customer Growth Partners. “Quando se está no negócio do comércio a retalho, tudo gira à volta da novidade. Mas a Sears deixou de inovar.”

O declínio da cadeia acentuou-se na última década. Asfixiada por uma dívida crescente, o seu último ano com lucro foi em 2010. Desde então as vendas caíram 60% e a Sears perdeu mais de 10 mil milhões de euros, recorda a CNN. A CNBC garante que a empresa teria de gerar mais de um milhar de milhões de dólares por ano para conseguir subsistir. Ao todo, em poucos anos passou de 3500 lojas para menos de 900, despedindo milhares de trabalhadores pelo caminho.

Lampert mostra-se confiante de que a Sears possa ainda recuperar a saúde financeira e reerguer-se, mas os analistas financeiros têm dúvidas de que tal seja possível. “A Sears tem revelado uma e outra vez que não está capaz de responder ao desafio do mercado do retalho no ambiente competitivo de hoje em dia”, resume a analista da Bloomberg Sarah Halzack. “A empresa gosta de se gabar dos esforços que fez no comércio online e do seu programa Shop Your Way”, acrescenta. “Mas se estas ideias não trouxeram ainda vendas e ganhos mais fortes, não há nenhuma razão para ter confiança que isso acontecerá daqui para a frente.”

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt
Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)