Rádio Observador

Cirurgia Plástica

“Isto é o início de um outro capítulo”. A primeira entrevista de Katie Stubblefield depois do transplante facial

Em maio, Katie tornou-se a primeira pessoa a fazer um transplante facial nos EUA. Cinco meses depois, conta, em entrevista à BBC, o que a levou a tentar matar-se e revela os planos para o futuro.

Katie Stubblefield antes da tentativa de suicídio e depois do transplante (Foto: National Geographic)

Foi a primeira vez que Katie Stubblefield falou depois da cirurgia que correu mundo, no verão passado. A jovem norte-americana de 21 anos tinha 18 quando uma discussão com o namorado a fez apontar uma arma ao queixo e puxar o gatilho. Não morreu, mas a bala levou-lhe o rosto. Quatro anos depois, em maio de 2018, tornou-se a pessoa mais jovem a receber um transplante facial nos Estados Unidos e, em entrevista à BBC, revelou o que sentiu naquele dia 25 de março de 2014 e também que planos tem para o futuro.

Lembro-me completamente do que fiz. Pensei: ‘Como fiz isto a mim própria? Mas, mais importante, como fiz isto à minha família?'”, recordou Katie, acompanhada pelos pais. “Tinha muitas coisas a acontecer na minha vida, relacionamentos e problemas. Permiti que essas coisas tirassem o melhor de mim“, diz ainda sobre o momento em que se tentou suicidar, em 2014.

“Sinceramente, não tinha pensamentos suicidas. O que me aconteceu foi meramente um impulso“, acrescenta a jovem. Naquele dia 25 de março, depois da discussão com o namorado, Katie saiu da escola mais cedo e refugiou-se na casa do irmão Robert. De lá ligou à sua mãe. “Quando cheguei, ela estava sentada numa cadeira grande e fofa com as pernas por cima dela. Ela estava a escrever uma mensagem, fui até perto dela e perguntei-lhe como estava. Ela encolheu os ombros, como os adolescentes fazem, às vezes. Não vi aquilo como um alarme, apenas senti que a minha menina tinha sido magoada“, recorda a mãe de Katie na mesma entrevista.

“Lembro-me de ter ouvido um barulho alto. Depois olhei para a cadeira e ela não estava lá. Fui até à cozinha e ao pátio nas traseiras e nada. Vi a porta da casa de banho fechada, rodei a maçaneta e perguntei: ‘Katie, estás bem?’ Ela não respondeu. O meu filho segurou-me, levou-me até ao quintal e disse: ‘Mãe, a Katie pegou na minha arma e não sei… ela está ferida’“, relembra ainda a mãe.

Katie voltou a ter um rosto depois de 31 horas passadas no bloco operatório. Diz sentir-se grata por ter tido esta “segunda oportunidade”, mas revela as dúvidas que teve antes de avançar para a cirurgia. “Era uma oportunidade de ter a minha vida de volta e a minha cara, até certo ponto. De início, foi uma decisão difícil porque sabia que alguém tinha de morrer para eu ter aquele rosto”, diz.

Mesmo assim, aceitou receber o rosto de Adrea Schneider, uma mulher de 31 anos que morreu de overdose de drogas. “Isto é como o início de um outro capítulo. Muitas pessoas perguntaram-me se estava nervosa e eu respondia que ia dormir uma sesta de 31 horas e que ia ser a melhor sesta da minha vida. Realmente foi a melhor sesta que alguma vez dormi”, conta Katie.

Também a mãe da jovem falou sobre o primeiro impacto depois da cirurgia. “Estava à procura de traços antigos, se conseguia ver alguma coisa do pré-acidente. Penso que não vi. Foi muito surreal, lembro-me de pensar: ‘Onde está a Katie?’“, recorda. “Ao mesmo tempo estava tão agradecida por ela estar viva e por não ter que viver até ao fim da vida sem um rosto”.

O novo rosto deu a Katie uma oportunidade para sonhar com o futuro. “Quero ir para a faculdade e ter a minha carreira. E gostava de conhecer alguém, casar e ter a minha família”, remata.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)