Rádio Observador

Cristiano Ronaldo

Uma invasão a abrir, duas invasões a fechar. “It’s ok, it’s ok”, disse Ronaldo. E ainda tirou uma selfie

1.723

Entre cachecóis e dezenas de cartazes espalhados por Old Trafford, Ronaldo foi a estrela de uma noite que começou e acabou com invasões de campo, uma delas com direito a prémio: uma selfie.

Cristiano Ronaldo procurou defender um dos fãs que invadiram o relvado no final e até aproveitou para tirar uma selfie

Getty Images

Foram muitos os antigos companheiros de Cristiano Ronaldo ouvidos nos últimos dias a propósito do regresso do português a Old Trafford mas pertenceram a nomes menos “mediáticos” as frases mais marcantes sobre o miúdo formado no Sporting que passou seis anos ao serviço do Manchester United antes de se mudar quase uma década para o Real Madrid.

“Nunca vi um jogador assim. Já lhe perguntei onde é que vai buscar aquela mentalidade e confiança… Quando chegou ao Manchester United, no primeiro dia, disse logo que era o melhor. Como é que um miúdo chega a um clube como este e diz que é o melhor? Onde é que vai buscar aquela confiança? Víamo-lo nos treinos, antes e depois, a fazer exercícios para ser o melhor… Nos primeiros dois anos não foi fácil para ele, sabíamos como pensava e estávamos sempre a chateá-lo. Só queria fazer dribles. Mas quando começou a marcar, tudo mudou. Começou a pensar em ganhar mais e mais, e mudou. Com essa mentalidade, que agora se vê, passou a ser diferente. Quando ele percebeu que tem de jogar com os companheiros, tudo mudou”, destacou Quinton Fortune, antigo lateral/ala esquerdo que esteve com o português no clube entre 2003 e 2006 (e que, apesar de todos os elogios ao avançado, ainda considera Lionel Messi como o melhor do mundo).

“Há uma expressão que define bem o Cristiano: é um instrumento de precisão. Faz tudo com um objetivo bem definido. Levava o treino a outro nível porque queria ser o melhor do mundo, todo o seu tempo livre era preenchido com futebol. Tinha até o seu próprio cozinheiro, para poder comer sempre bem. Lembro-me que fez questão de comprar uma casa com piscina, para poder treinar. Alguns jogadores exageram, ele era mais inteligente que isso. Treinava no duro mas ouvia os especialistas que estavam à sua volta. Há quem diga que para se ser bom em alguma coisa, seja a pintar ou a tocar guitarra, são necessárias dez mil horas de dedicação. O Cristiano fez isso e muito mais. Muitos dos outros jogadores também eram excelentes atletas, mas não faziam tanto como ele. E era uma excelente pessoa”, recordou Mike Clegg, antigo preparador físico.

Manifestações de apoio a Ronaldo em Old Trafford começaram logo à saída para o aquecimento (OLI SCARFF/AFP/Getty Images)

Dos cachecóis alusivos ao regresso de Ronaldo com a Juventus a Old Trafford às dezenas de cartazes com a frase “Welcome home”, o número 7 foi recebido como um verdadeiro filho pródigo que também reconhece a importância que o Manchester United teve para chegar ao patamar onde se encontra. Bem disposto ainda antes de entrar em campo, na zona do túnel de acesso aos balenários, avisou a criança que o acompanhava que iria fazer o tradicional salto ao passar para dentro das quatro linhas e era como que a pessoa mais feliz do mundo enquanto se ouvia o hino da Champions – entre tantas caras cerradas, saltou à vista o sorriso largo do capitão da Seleção. E a primeira manifestação excessiva não demoraria muito.

Logo aos três minutos, um fã invadiu o relvado quando o Manchester United beneficiava de um livre lateral junto da área da Juventus. O objetivo era poder cumprimentar Cristiano Ronaldo, os seguranças conseguiram evitar a tempo que chegasse à zona onde se encontrava o jogador. Ainda assim, e quando Mourinho trocava gargalhadas com Massimilano Allegri pelo momento caricato, o português ainda pediu para que fosse feito um compasso de espera e cumprimentou o “intruso”.

Mais tarde, já depois de ter agradecido em conjunto com os restantes jogadores da Juventus aos milhares de adeptos italianos que se deslocaram a Manchester, houve mais invasões e a dobrar: quando se encaminhava para a zona de acesso aos balneários, um primeiro fã aproximou-se do jogador, foi intercetado pelos seguranças mas contou com a “ajuda” de Ronaldo, que ia dizendo “It’s ok, it’s ok” à medida que se ia aproximando; logo depois, mais um adeptos dentro do relvado para tentar cumprimentar o número 7. E o mais caricato acabou por ser a selfie que o jogador ainda tirou com um deles antes de serem levados.

Antes de abandonar o relvado, e perante a concentração de pessoas naquela zona uns minutos depois do final da partida, Ronaldo agradeceu o apoio e retribuiu através de gestos os aplausos que ouvia. Para todos aqueles adeptos, a noite não trouxe razões para manifestações exuberantes mas o regresso do filho pródigo a Old Trafford acabou por ser um dos poucos motivos de gáudio para quem se recorda dos tempos em que o Manchester United era um real candidato no Campeonato e na Champions.

Em atualização

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)