O Presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, participou esta terça-feira num culto evangélico no Rio de Janeiro, num ato de agradecimento a um eleitorado-chave para a sua eleição.

Numa intervenção curta, de cinco minutos, o político de extrema-direita pôs de lado a animosidade de outras intervenções e falou de forma emocionada. Ao lado do pastor Silas Malafaias, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, um dos mais conhecidos e influentes do Brasil, começou por falar do atentado à faca de que foi vítima a 6 de setembro: “Primeiro, quero agradecer a Deus por estar vivo”.

“Depois, quero agradecer também a Deus por essa missão. Porque o Brasil… Temos uma nação um tanto quanto complicada. Crise ética, moral e económica. Tenho a certeza de que não sou o mais capacitado. Mas Deus capacita os escolhidos”, continuou.

Também em jeito de agradecimento, Bolsonaro enalteceu o eleitorado evangélico, um dos pilares do seu êxito eleitoral — no Brasil, segundo os censos de 2010, 22,2% da população é evangélica; e de acordo com a Datafolha, 59% destes terão votado em Bolsonaro.

Armas para todos, Moro ministro e a negação da ditadura militar. As primeiras entrevistas de Bolsonaro em 10 pontos

“Eu só peço aos senhores e às senhoras, nesse momento, como cristão, que continuem, assim como oraram pela minha vida, continuem orando para que possamos, além de ter uma boa equipe do meu lado, termos boas ideias e termos coragem para tomar decisões de modo que o nosso povo possa realmente no futuro ser feliz”, concluiu Bolsonaro.

A seguir a Deus, é em Bolsonaro que os evangélicos têm mais fé