Moçambique

Inflação nos alimentos pode ter agravado pobreza em 4% a 6% em Moçambique

Algumas das províncias mais pobres, tais como Tete, Manica e Niassa (interior norte e centro), terão sido as que mais suportaram a inflação de preços, devido ao elevado nível de dependência do milho.

LUSA

A inflação do preço dos alimentos em 2016-17 pode ter aumentado em quatro a seis pontos percentuais a parcela de população moçambicana que vive na pobreza, de acordo com um novo estudo do Banco Mundial. “Uma análise do Banco Mundial sobre as implicações da inflação do preço dos alimentos em 2016-17 conclui que pode ter significado um aumento da pobreza em 4 a 6 pontos percentuais”, refere.

A informação faz parte do boletim sobre a Atualidade Económica de Moçambique, divulgado na quarta-feira, em Maputo. Algumas das províncias mais pobres, tais como Tete, Manica e Niassa (interior norte e centro), terão sido as que mais suportaram o fardo, devido ao elevado nível de dependência do milho, acrescenta.

Como Moçambique é importador de milho e arroz, o preço dos alimentos chegou a subir 40% em novembro de 2016, por causa de uma depreciação acentuada da moeda, o metical – logo, eram necessários mais meticais para pagar a mesma quantidade de comida.

Hoje, a situação macroeconómica estabilizou-se (a inflação média a 12 meses é de 4,59%), mas as marcas podem perdurar. Estas perspetivas sobre 2016 são as mais recentes indicações sobre a evolução da pobreza em Moçambique, uma vez que os últimos dados oficiais consolidados das autoridades e Banco Mundial são de 2014-15 e indicam que 48,4% da população é pobre – uma trajetória de descida desde 2002-03 em que o valor atingia 60,3%.

“A medição da pobreza em Moçambique baseia-se no valor de um nível mínimo de consumo necessário para a vida normal a curto prazo e bem-estar humano a longo prazo e que é estimado a partir de pesquisas domiciliares a cada cinco ou seis anos”, pelas autoridades moçambicanas, nota a instituição.

Apesar da situação inflacionária verificada em 2016-17, o Banco Mundial prevê que, até 2030, Moçambique consiga reduzir a pobreza de 48,4% para 21,8% (melhor cenário) ou 36% (pior cenário). O impacto desigual da instabilidade macroeconómica (e consequente inflação do preço de alimentos) registada em Moçambique nos últimos anos é avaliado numa secção específica do novo boletim do Banco Mundial.

Na secção, a instituição nota que as famílias pobres do interior rural foram as que mais cortaram na alimentação. “Uma análise ao impacto de preços mais altos no bem-estar das famílias mostra que um aumento de 10% nos preços do milho levou a uma redução de 1,2% do consumo per capita nas áreas rurais e de 0,2% nas áreas urbanas”, refere a instituição. Os efeitos causados pelas mudanças “nos preços do arroz e mandioca foram menores, mas qualitativamente iguais”.

O estudo realça “os custos da instabilidade macroeconómica nos mais desfavorecidos, especialmente dada a medida em que as subidas de preços dos alimentos são desproporcionalmente sentidas pelas famílias mais pobres, mesmo quando são produtoras de alimentos”.

A descoberta de dívidas ocultas do Estado, ascendendo a dois mil milhões de dólares, contribuiu para que o abrandamento económico de Moçambique, que já se perspetivava, se transformasse numa crise em 2016-17, com os indicadores macroeconómicos a estabilizarem desde o último ano.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)