Solidariedade

Santa Casa devolve 3,2 milhões de euros em cortes salariais com juros a 1.110 funcionários

Santa Casa da Misericórdia de Lisboa devolveu este ano 3,2 milhões de euros em cortes salariais, com juros, aplicados na instituição por decisão do anterior Governo a 1.110 funcionários.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa devolveu este ano 3,2 milhões de euros em cortes salariais, com juros, aplicados na instituição por decisão do anterior Governo, entre 2011 e 2012, a 1.110 funcionários com vínculo público.

A devolução dos cortes salariais aos funcionários públicos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) foi feita em abril e maio e decorreu de uma ação em tribunal interposta e ganha pelo Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Sul e Regiões Autónomas (STFPSSRA), confirmou fonte oficial da instituição à Lusa.

“A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa confirma que, no seguimento de uma deliberação de Mesa de 18 de janeiro de 2018, dando cumprimento ao Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo, repôs, no corrente ano, a todos os seus colaboradores com vínculos públicos, o valor da redução salarial imposta pelas Leis dos Orçamentos do Estado de 2011 e 2012”, afirmou a fonte.

No âmbito da ação judicial, foram abrangidos 205 trabalhadores associados do STFPSSRA, mas a SCML decidiu alagar a devolução dos cortes a mais 905 trabalhadores com vínculo público, apesar de não estarem abrangidos pelo acórdão do tribunal.

Ao primeiro grupo de 205 trabalhadores “corresponde um valor total de reposições de cerca de 376.000 euros, acrescidos de juros de mora no montante de 94.000 euros”. Ao segundo grupo de 905 trabalhadores foram repostos “um total de cerca de 2.800.000 euros”.

No total, a SCML devolveu mais de 3,2 milhões de euros aos 1.110 trabalhadores.

A Santa Casa considera que, apesar de ter “atuado em conformidade com as orientações que à data lhe foram transmitidas pela tutela”, o tribunal entendeu que a Misericórdia de Lisboa “enquanto pessoa coletiva de direito privado e utilidade pública administrativa, não é abrangida pelo âmbito normativo subjetivo das normas em causa dos OE [Orçamento do Estado] de 2011 e 2012”.

“Deste modo, os seus trabalhadores com vínculo público não são destinatários das normas que determinaram as reduções salariais”, e perante a decisão do tribunal, a Misericórdia “entendeu proceder à reposição das reduções a todos os seus trabalhadores com o mesmo tipo de vínculo”.

A SCML repôs as reduções remuneratórias em abril, relativamente aos 205 trabalhadores abrangidos pela ação judicial, e no mês de maio aos restantes trabalhadores.

Na Santa Casa trabalham cerca de cinco mil funcionários, mas apenas cerca de mil têm vínculo público, sendo a maioria contratos individuais de trabalho.

Em causa estão as reduções remuneratórias impostas aos trabalhadores da administração pública com salários superiores a 1.500 euros brutos nos orçamentos do Estado de 2011 e 2012 pelo Governo de Pedro Passos Coelho, que se prolongaram por 2013 e 2014.

Em 2015, o Governo PSD/CDS-PP repôs 20% dos cortes salariais e, em 2016, já com o executivo socialista, foram repostos os restantes 80% a um ritmo de 25% em cada trimestre.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Solidariedade

Caridade com o dinheiro dos outros

Telmo Azevedo Fernandes
460

Quanto mais nos sentirmos roubados pelo Estado, menor a disposição em sermos solidários para com o próximo. E mais os beneficiários se sentirão no “direito” de ser ajudados, perpetuando a mendicidade.

Solidariedade

Servir é um poder? Por que interessa responder

Isabel Teixeira da Mota
118

Numa cultura como a nossa, que contrapõe mandar e servir, poder e obedecer, acabamos por assumir uma visão caricatural do serviço quando este é uma forma de relação que só os seres humanos podem ter.

Religião

O Dia Mundial da Religião

Donizete Rodrigues

O Dia Mundial da Religião é um momento ecuménico para promover a convivência, o interconhecimento e o diálogo inter-religioso, buscando um futuro livre de preconceito, discriminação e intolerância.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)