Solidariedade

Santa Casa devolve 3,2 milhões de euros em cortes salariais com juros a 1.110 funcionários

Santa Casa da Misericórdia de Lisboa devolveu este ano 3,2 milhões de euros em cortes salariais, com juros, aplicados na instituição por decisão do anterior Governo a 1.110 funcionários.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa devolveu este ano 3,2 milhões de euros em cortes salariais, com juros, aplicados na instituição por decisão do anterior Governo, entre 2011 e 2012, a 1.110 funcionários com vínculo público.

A devolução dos cortes salariais aos funcionários públicos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) foi feita em abril e maio e decorreu de uma ação em tribunal interposta e ganha pelo Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Sul e Regiões Autónomas (STFPSSRA), confirmou fonte oficial da instituição à Lusa.

“A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa confirma que, no seguimento de uma deliberação de Mesa de 18 de janeiro de 2018, dando cumprimento ao Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo, repôs, no corrente ano, a todos os seus colaboradores com vínculos públicos, o valor da redução salarial imposta pelas Leis dos Orçamentos do Estado de 2011 e 2012”, afirmou a fonte.

No âmbito da ação judicial, foram abrangidos 205 trabalhadores associados do STFPSSRA, mas a SCML decidiu alagar a devolução dos cortes a mais 905 trabalhadores com vínculo público, apesar de não estarem abrangidos pelo acórdão do tribunal.

Ao primeiro grupo de 205 trabalhadores “corresponde um valor total de reposições de cerca de 376.000 euros, acrescidos de juros de mora no montante de 94.000 euros”. Ao segundo grupo de 905 trabalhadores foram repostos “um total de cerca de 2.800.000 euros”.

No total, a SCML devolveu mais de 3,2 milhões de euros aos 1.110 trabalhadores.

A Santa Casa considera que, apesar de ter “atuado em conformidade com as orientações que à data lhe foram transmitidas pela tutela”, o tribunal entendeu que a Misericórdia de Lisboa “enquanto pessoa coletiva de direito privado e utilidade pública administrativa, não é abrangida pelo âmbito normativo subjetivo das normas em causa dos OE [Orçamento do Estado] de 2011 e 2012”.

“Deste modo, os seus trabalhadores com vínculo público não são destinatários das normas que determinaram as reduções salariais”, e perante a decisão do tribunal, a Misericórdia “entendeu proceder à reposição das reduções a todos os seus trabalhadores com o mesmo tipo de vínculo”.

A SCML repôs as reduções remuneratórias em abril, relativamente aos 205 trabalhadores abrangidos pela ação judicial, e no mês de maio aos restantes trabalhadores.

Na Santa Casa trabalham cerca de cinco mil funcionários, mas apenas cerca de mil têm vínculo público, sendo a maioria contratos individuais de trabalho.

Em causa estão as reduções remuneratórias impostas aos trabalhadores da administração pública com salários superiores a 1.500 euros brutos nos orçamentos do Estado de 2011 e 2012 pelo Governo de Pedro Passos Coelho, que se prolongaram por 2013 e 2014.

Em 2015, o Governo PSD/CDS-PP repôs 20% dos cortes salariais e, em 2016, já com o executivo socialista, foram repostos os restantes 80% a um ritmo de 25% em cada trimestre.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Governo

Quem quer casar com um governante?

Luís Reis

Se Soares foi Presidente-Rei, Costa revelou-se Primeiro-Ministro-Rei chamando o seu reduto doméstico a participar no governo dos súbditos, um nepotismo rosa instalado e a preparar a sucessão dinástica

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)