Rádio Observador

Medicamentos

Laboratório que comercializa Nolotil nega restrições do medicamento em Espanha

Farmacêutica que comercializa o analgésico Nolotil nega que tenha havido restrições ao medicamento para turistas em Espanha. "Houve, sim, um reforço de que apenas deve ser utilizado com prescrição".

Getty Images

Autor
  • Mariana Béu

O laboratório que comercializa o medicamento Nolotil nega que tenha havido uma restrição à venda do fármaco em Espanha depois de ter sido associado à morte de dez britânicos. “A Agência Espanhola não impôs nenhuma restrição relativa à utilização ou à comercialização do Nolotil, na sequência da avaliação dos casos descritos. Houve sim, um reforço de que todos os medicamentos contendo metamizol apenas devem ser utilizados mediante prescrição médica e que devem ser tomados de acordo com as instruções de utilização aprovadas”, refere o laboratório em comunicado.

No mesmo texto, a farmacêutica esclarece que ainda que “a agranulocitose, situação médica descrita nas notícias, é uma reação adversa há muito conhecida para o metamizol e que ocorre com uma frequência muito rara, o que significa que pode afetar até 1 em cada 10.000 pessoas“.

A Boehringer Ingelheim sublinha ainda que “o Nolotil é um medicamento que se encontra no mercado há várias décadas com longa experiência clínica e amplamente conhecido pelos especialistas, e que as condições aprovadas para a sua utilização não foram alteradas na sequência dos casos descritos. Foram sim, reforçadas”.

No comunicado, pode ler-se ainda que o laboratório “lamenta as mortes ocorridas e continuará a monitorizar e avaliar, em colaboração com as autoridades de saúde, quaisquer questões de segurança potencialmente associadas aos seus medicamentos”.

O esclarecimento surge na sequência da notícia avançada pelo jornal El Espanhol, segundo a qual o analgésico, um dos mais consumidos em Espanha, tinha sido proibido a turistas, na sequência da atualização da ficha técnica do metamizol (comercialmente conhecido como Nolotil, também à venda em Portugal) pela Agência Espanhola de Medicamentos e Produtos Sanitários (AEMPS). A medida terá acontecido depois da morte de 10 britânicos.

Já em agosto, o The Sunday Times tinha revelado que a AEMPS lançou uma investigação para determinar se pessoas oriundas do norte da Europa estão ou não mais expostas aos efeitos colaterais do Nolotil. Cristina Garcia del Campo, uma tradutora médica da província de Alicante, fez campanha para promover a realização de uma investigação depois de descobrir que várias pessoas de origem britânica tinham morrido com alterações no sangue depois de terem tomado este medicamento.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Medicamentos

Sobre as Matildes

Fernando Leal da Costa
138

Queixamo-nos de que pagamos demasiados impostos. Há quem prometa baixá-los, quem exija cortá-los, mas ninguém nos explica como sustentar o SNS onde os medicamentos tenderão a ficar cada vez mais caros

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)