Facebook

Facebook eliminou este ano mais de 14 milhões de conteúdos que apoiavam o Estado Islâmico ou Al-Qaeda

A rede social eliminou este ano mais de 14 milhões de conteúdos em todo o mundo que exaltavam grupos terroristas como o Estado Islâmico (EI) ou a Al-Qaeda e as suas organizações afiliadas.

MONICA DAVEY/EPA

A rede social Facebook anunciou esta sexta-feira que eliminou este ano mais de 14 milhões de conteúdos em todo o mundo que exaltavam grupos terroristas como o Estado Islâmico (EI) ou a Al-Qaeda e as suas organizações afiliadas.

Numa publicação no blogue da empresa, a chefe de Políticas Globais, Monika Bickert, e a responsável pela Política Antiterrorista, Brian Fishman, indicaram que a grande maioria das mensagens foi eliminada a partir de abril, especialmente durante o segundo trimestre de 2018.

Durante os primeiros três meses de 2018, 1,9 milhões de conteúdos pró-terroristas foram eliminados, um número que disparou para 9,4 milhões entre abril e junho e que caiu para três milhões no terceiro trimestre.

“No mundo real, grupos terroristas mostraram grande resistência aos esforços antiterroristas, por isso não deve surpreender ninguém que a mesma dinâmica seja transferida para plataformas sociais como o Facebook”, argumentaram estes responsáveis da empresa sediada em Menlo Park, no estado norte-americano da Califórnia.

O Facebook está a usar sistemas automáticos de aprendizagem para detetar e eliminar o mais rapidamente possível mensagens que mostrem apoio ao EI ou Al-Qaeda, sendo que essas técnicas, sublinha a empresa, já tiveram um impacto substancial: no segundo trimestre o tempo médio necessário para eliminar novos conteúdos era de 14 horas, apenas três meses depois foi reduzido para menos de dois minutos.

Do total de 14 milhões de conteúdos pró-terroristas que a rede social eliminou este ano, aproximadamente metade são mensagens publicadas antes de 2018, mas ainda presentes na rede social.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

As aventuras da coerência /premium

Paulo Tunhas

Até certa altura pensei que a chamada “esquerda” era depositária da tradição de liberdade e garantia da democracia. Mas uma observação das suas reacções políticas mostra algo diferente e inquietante.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)