Rádio Observador

Ministério Da Justiça

Racismo nas forças de segurança tem de ser verificado “até ao limite”

A ministra disse que "é preciso" verificar "até ao limite" as "queixas recorrentes" sobre racismo nas forças de segurança portuguesas, dando-lhes resposta "repressiva, sempre que for o caso".

TIAGO PETINGA/LUSA

A ministra da Justiça disse esta sexta-feira que “é preciso” verificar “até ao limite” as “queixas recorrentes” sobre racismo nas forças de segurança portuguesas, dando-lhes resposta “repressiva, sempre que for o caso”.

Em entrevista telefónica à Lusa, antes de participar na sessão solene que assinalou os 40 anos da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos Humanos, na Assembleia da República, a ministra Francisca Van Dunem constatou que “há queixas recorrentes” sobre racismo nas forças de segurança portuguesas, denunciado em vários relatórios internacionais, o último dos quais elaborado pelo Conselho da Europa e divulgado há um mês.

Sublinhando que Portugal tem respondido às denúncias nacionais e internacionais em dois eixos — “identificar os problemas reais e intervir para os melhorar” –, Francisca Van Dunem admitiu que “há quebras”. E acrescentou: “Isso há — e percebo que haja queixas e há queixas recorrentes.”

Frisando que as forças de segurança estão na alçada do Ministério da Administração Interna, a ministra da Justiça fez questão de destacar que “haverá, seguramente, um mínimo de rigor no que diz respeito aos direitos fundamentais”.

Porém, “quando essas alegações [de racismo] aparecem, é preciso verificá-las até ao limite e é, sobretudo, preciso intervir, tanto na perspetiva pedagógica, como na perspetiva repressiva, sempre que for o caso”, defendeu.

“É óbvio que me preocupa [o racismo nas forças de segurança], não podia deixar de me preocupar”, vincou. “Acho que o racismo se combate nas escolas, em primeiro lugar” e “com medidas positivas e afirmativas que resgatem alguns setores da população da vivência em quase guetos, em que efetivamente se encontram, e lhes restituam a autoestima de que eles precisam”, considera.

A propósito dos 40 anos da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos Humanos, Francisca Van Dunem sublinhou que “a justiça portuguesa não só não teme, como respeita o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos” e frisou que, “do ponto de vista percentual, Portugal não tem muitas condenações”.

Além disso, as obrigações indemnizatórias que resultam das condenações pelo Tribunal Europeu dos Direitos Humanos diminuíram de “três ou quatro milhões” de euros para valores entre “500 mil e um milhão de euros por ano”, comparou.

“A situação, hoje, é bastante melhor do que era há cinco ou seis anos”, observou, realçando que há “áreas da jurisprudência [nacional] que foram alteradas muito em função da jurisprudência do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, por exemplo as questões que têm a ver com a liberdade de expressão dos jornalistas”.

Admitindo algum excesso português no recurso à defesa do bom nome e da honra, que geralmente se traduz em condenações do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos em favor da liberdade da expressão, a ministra admitiu: “Temos todos muito a aprender, sobretudo a encontrar espaço de diferenciação entre aquilo que é a honra das figuras públicas e a honra dos privados.”

Embora admita um desequilíbrio que dá mais atenção aos direitos civis e políticos, Francisca Van Dunem considera que Portugal “avançou muito” em matéria de direitos económicos e sociais. “O caminho faz-se caminhando”, disse.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira
847

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)