Rádio Observador

Michelle Obama

Aborto e fertilização “in vitro”. Porque a confissão de Michelle Obama importa

870

Michelle contou que sofreu um aborto há 20 anos e que recorreu à fertilização "in vitro" para conceber as filhas. A confissão, a propósito do novo livro, está a ser elogiada dentro e fora das redes.

O novo livro de memórias de Michelle Obama está à venda em Portugal a partir de 13 de novembro, pela editora Objetiva

Jonathan Bachman/Getty Images

“Um ato notável de generosidade.” É assim que um artigo de opinião publicado este sábado no jornal The Guardian define a confissão de Michelle Obama. A ex-primeira-dama dos Estados Unidos da América confessou numa entrevista à ABC, a propósito do novo livro de memórias Becoming — A Minha História, que sofreu um aborto há cerca de 20 anos e que ela e o marido recorreram à fertilização in vitro para conceber as duas filhas, Malia e Sasha, de 20 e 17 anos.

Na entrevista, Michelle Obama falou abertamente sobre o aborto e admitiu que, à data, sentiu-se “perdida e sozinha”, como se tivesse falhado. “Eu não sabia o quão comum eram os abortos porque nós [mulheres] não falamos sobre eles. Ficamos na nossa dor, a pensar que, de alguma forma, estamos quebradas.” A mensagem da ex-primeira-dama foi clara — “É importante falar com jovens mães sobre o facto de os abortos acontecerem” — e está a ser bem recebida.

Porque o tratamento in vitro é “cada vez mais comum” mas continua a ser um estigma. É nesse ponto que se foca a crónica do The Guardian, que ressalva a importância de figuras públicas “não terem vergonha” de estar entre os comuns mortais que passam pela mesma situação. “Isto pode fazer uma diferença enorme. (…) O tratamento in vitro existe há cerca de 40 anos mas continua a ser algo que as pessoas consideram difícil de discutir. As razões são complexas”, lê-se no artigo de opinião assinado pela jornalista freelancer Jean Hannah Edelstein.

O The Vox continua a mesma linha de pensamento, ao argumentar que a confissão de Michelle Obama pode ajudar “a suavizar” o estigma associado aos abortos e à infertilidade. O aborto, lê-se neste artigo, é a complicação mais comum na gravidez — uma em cada cinco gravidezes resultam em aborto, pelo menos na realidade norte-americana. “Mas as pessoas não costumam falar sobre estas experiências, porque podem ser física e emocionalmente dolorosas e por causa do estigma e da falta de consciência sobre o quão comum elas são.”

No Twitter encontram-se com alguma facilidade expressões de agradecimento, mais e menos emocionadas. A australiana Zoe Daniel, chefe da delegação da ABC News em Washington, DC, escreve que esta é uma luta que muitos enfrentam e que, ao mesmo tempo, escondem. “Todos os dias abraço os meus filhos e penso em todos os meus bebés anjos. Força para todos os que estão a passar por esta dor dilacerante”, lê-se no respetivo tweet.

Julia Belluz, correspondente do Vox e autora da peça jornalística acima citada, defende que Michelle está a ajudar a “normalizar o aborto” e a ser uma voz poderosa para uma nova geração de pais mais consciente e disponível para falar sobre as dificuldades da infertilidade. À CNN, meio que também deu destaque à relevação de Michelle, o médico Zev Williams, diretor do Centro de Fertilidade da Universidade de Columbia, afirmou que esta confissão é “tão universal, não só nos EUA mas em todo o mundo”. “Há um sentimento real de culpa e relutância em discutir isto com outras pessoas.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)