País

Quem disse que não posso ter um selo só meu?

123

Os momentos mais importantes da minha vida não são para ficar guardados só para mim. São para partilhar. E nada melhor que pô-los a circular em selos, colados nas minhas cartas. Sim, é possível.

Festejar, eternizar, partilhar. Se tivesse de escolher apenas três verbos para a minha vida escolhia estes, porque há momentos de celebração que irei recordar para sempre, a sorrir. Que levarei comigo pela vida fora e que me darão uma enorme felicidade a partilhar com quem mais amo. São momentos que dariam um selo. Um selo alusivo ao que de melhor vivo, tenho e sou, e que agora posso tornar possível através do meuselo, um produto criado pelos CTT para pessoas como eu, que acreditam que o que se vive de bom é para comemorar – e mostrar. Tanto a nível pessoal, como da minha empresa.

O meu amor num selo

Por isso mesmo, foi um meuselo que eu fiz para assinalar o primeiro mês de vida do meu primeiro bebé.

Ofereça um voucher e deixe que a outra pessoa decida

Se não tiver a certeza sobre qual o melhor momento a incluir no meuselo, ou se estiver na dúvida sobre a foto mais indicada para quem pretende surpreender, não há qualquer problema. Pode simplesmente optar por oferecer a possibilidade de personalização, deixando que a outra pessoa decida. Nas lojas CTT, vendem-se vouchers meuselo, para que as compras de Natal fiquem ainda mais facilitadas. Quem recebe o presente só tem de ir à página dos CTT, colocar o código contido no voucher e seguir os passos para personalizar o meuselo. Este Natal, ninguém fica sem selos.

Um amor desmedido como este que sinto por um ser tão pequenino, frágil e dependente – mas que é todo ele um sorriso e uma alegria sem fim –, não poderia ficar guardado só para mim. Difícil mesmo foi escolher a melhor foto – gosto de todas, claro. Mas o mais engraçado foi assistir à reação do outro amor da minha vida, quando recebeu a carta que lhe enviei com o selo do nosso filho. Acho que não o via assim – tão surpreendido e maravilhado – desde há exatamente um ano, quando cheguei ao pé dele vestida de noiva. E depois não tivemos mãos a medir para atender telefonemas atrás de telefonemas dos avós, tios e padrinhos, todos muito felizes, porque também tinham recebido a mais especial de todas as cartas com o mais original de todos os selos.

Aos 80 ainda dá um selo

Quando fiz 18 anos, recebi do meu avô o seu maior tesouro: a coleção de selos que ele foi construindo ao longo de toda a sua vida, desde que era ainda um garoto de calções. Ensinou-me tudo sobre filatelia e passou-me a paixão. Essa foi a razão por que, durante a grande festa que lhe oferecemos para assinalar os seus 80 anos, percebi o que estava a faltar para tornar o momento ainda mais especial. Soube o presente que lhe iria dar para assinalar a data: um selo com a foto em que estamos todos juntos nesse dia inesquecível. Eu e ele, abraçados e rodeados de toda a família. Sim, aos 80 anos, o meu octogenário avô ainda dá um selo. O mais importante da minha coleção.

Natal em selo

Está a chegar aquela altura em que todos queremos encontrar a melhor forma de desejar um feliz Natal, não só aos que mais gostamos, mas também aos nossos clientes e colaboradores, com quem trabalhamos todos os dias. Este ano, decidi apelar à criatividade e pôr mãos à obra. Escolhi a melhor foto da minha empresa, dei-lhe um toque natalício e criei um selo.

Como funciona o meuselo?

Criar um meuselo personalizado é muito rápido e simples. Basta seguir alguns passos na página respetiva dos CTT e já está:

  1. Escolher o número de selos pretendidos: uma folha de 12 ou de 25 selos;
  2. Fazer o upload da imagem escolhida (limite máximo de 3 MB);
  3. Identificar o selo e inserir o texto pretendido, bem como a data;
  4. Editar a imagem de acordo com as preferências (orientação vertical/horizontal, clarear/escurecer, etc.);
  5. Pré-visualizar e validar as opções gráficas;
  6. Encomendar, com a indicação do número de folhas de selos pretendidas e o valor a pagar;
  7. Registo simples no meuselo.

E agora, é aguardar a chegada da encomenda para começar a surpreender toda a gente.

Porquê um selo? Porque, ao longo da história, este é um elemento que traduz a relevância de quem nele é representado. Habituámo-nos a ver em selo as fotografias de grandes personalidades, escritores e inventores, cientistas e estadistas. Mas, para mim, é a equipa com que trabalho que merece um selo. Porque nunca baixa os braços e está sempre lá, pronta para o que der e vier. E este Natal, o selo é deles. É nosso. Para colocar em todos os postais de boas festas que enviaremos aos nossos clientes. Para atestar que a nossa ligação profissional é importante o ano inteiro.

Um ano a dar tudo

Foi há um ano que decidi investir tudo o que tinha – e mais alguma coisa – no projeto da minha vida e que há muito tempo vinha a desenvolver em segredo. Criei de raiz a minha empresa, acreditei e apostei. Fui em frente. Hoje orgulho-me de celebrar um ano de sucesso, um ano desafiante e estimulante, em que todos os dias precisei de me reinventar. Agora é altura de celebrar. E para que nunca me esqueça deste objetivo alcançado, decidi criar um selo com a imagem de marca da minha empresa e enviá-lo a todos os que acreditaram e hoje estão comigo: os meus colaboradores. Um selo para comemorar o ano em que demos tudo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)