Além de todos os projectos sérios a que se dedica, da SpaceX à Tesla, passando pela Boring Company, Musk adora inventar produtos que não lembram a ninguém, para se entreter ou simplesmente pelo desafio. E exemplos não faltam, dos chapéus aos lança-chamas. A boa imagem das suas empresas sempre lhe permitiu ter lucro com a venda desses produtos marginais mas, aparentemente, a “sorte” acabou-se.

O mais recente projecto em que o empresário se meteu foi a Teslaquila, ou seja, a tequila da Tesla. Parece um disparate, mas a reacção dos seus fãs, a começar pelos mais de 23 milhões de seguidores que possui no Twitter, encorajaram o sul-africano a meter mãos à obra, percorrendo o caminho normal que começa pelo registo da marca, concepção do logótipo e o necessário business plan.

Quando tudo parecia bem encaminhado e fácil de implementar para alguém como Elon Musk, a quem é atribuído um valor superior a 22 mil milhões de dólares, eis que a Teslaquila se deparou com alguns obstáculos. A marca foi registada no US Patent and Trademark Office, em Outubro, definindo a Teslaquila como um “licor destilado de agave azul”, o cacto de que é feita a tequila original, bebida que existe desde o século XVI e que está patenteada pelos mexicanos.

Assim que o Conselho Regulatório da Tequila Mexicana se apercebeu que a Teslaquila ia mesmo avançar, eles que registaram o termo tequila em mais de 40 países como sendo uma bebida tradicional mexicana, sendo apenas passível de ser produzida em locais seleccionados do México, depressa se opuseram formalmente à Teslaquila, pela denominação ser demasiado próxima do produto original.

Resta agora saber qual será a reacção de Musk, que é conhecido por adorar um bom desafio, ficando a dúvida se acata o pedido do regulador ou se, pelo contrário, opta por enfrentar os mexicanos.