Guiné-Bissau

Número de recenseados na Guiné-Bissau já ultrapassou os 700 mil

O número de recenseados na Guiné-Bissau já ultrapassou os 700 mil, disse o ministro da Presidência e do Conselho de Ministros do país. Já o INE estima cerca de 886 mil eleitores recenseados.

ANDRE KOSTERS/LUSA

O ministro da Presidência e do Conselho de Ministros da Guiné-Bissau, Agnelo Regala, disse esta segunda-feira que o número de cidadãos eleitores recenseados já ultrapassou os 700 mil.

“O processo vai a bom ritmo, neste momento, já se ultrapassou o número de 700 mil recenseados, o que quer dizer que estamos a entrar na fase final”, afirmou o ministro.

Agnelo Regala falava na sede da cooperação timorense em Bissau, onde se deslocou para receber mais equipamentos doados por Timor-Leste, incluindo computadores, máquinas fotográficas e aparelhos de recolha de impressões digitais.

“Em breve devemos chegar ao número de eleitores recenseados, tendo em conta as estimativas que tinham sido feitas, que vão permitir ao Presidente da República marcar as eleições legislativas”, afirmou o ministro da Presidência e do Conselho de Ministros guineense.

O número total de eleitores recenseados estimados pelo Instituto Nacional de Estatística é de cerca de 886 mil.

Timor-Leste apoiou o processo eleitoral na Guiné-Bissau com um total de 472,3 mil dólares.

Além do arranjo dos equipamentos de registo biométrico, que tinham sido doados em 2013 para as eleições gerais de 2014, Timor-Leste vai dar também à Guiné-Bissau 10 novo ‘kits’ para atualizar o recenseamento para as presidenciais, previstas para 2019.

As legislativas na Guiné-Bissau estavam marcadas para 18 de novembro, mas dificuldades técnicas e financeiras levaram a atrasos no início do recenseamento, que acabou por ter de ser prolongado para além da data prevista para a realização das eleições.

O Presidente guineense, José Mário Vaz, anunciou já que só marcará a nova data das legislativas após o recenseamento estar completo.

O Governo guineense tem apelado a todos os cidadãos eleitores para fazerem o seu recenseamento para participarem nas eleições.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)