Papa Francisco

Anúncio antecipado da visita do Papa a Portugal causa mal-estar

327

A notícia antecipada de que as Jornadas Mundiais da Juventude de 2022 se irão realizar em Portugal está a gerar descontentamento e mal-estar na Igreja Católica e na Presidência da República.

Papa Francisco acompanhado por Marcelo Rebelo de Sousa, na visita ao Santuário de Fátima em maio de 2017 para o Centenário das Aparições

9168

A notícia de que as Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ) em 2022 se irão realizar em Portugal está a gerar mal-estar na Igreja Católica e na Presidência da República. A novidade foi tornada pública no sábado pela agência Lusa, citando o site Religionline, e causou um indisfarçável descontentamento, já que supostamente a confirmação oficial deveria ser dada pelo Papa Francisco nas Jornadas Mundiais da Juventude no Panamá, avança o Jornal de Notícias.

Este era um segredo conhecido por muitos, mas que a Igreja queria guardar, uma vez que primeiro deveria ser revelado pelo próprio Papa e depois confirmado por D. Manuel Clemente, cardeal patriarca de Lisboa, de forma a reabilitar a sua imagem “dentro e fora da hierarquia”. Para Manuel Barbosa, porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa, falando apenas em seu nome, afirma que “quem dá a notícia é responsável por ela” e acrescenta que “só o Papa pode anunciar uma decisão” deste género. Dada a fuga de informação, Manuel Barbosa não descarta a hipótese de o evento já não se vir a realizar. Até ao momento não há confirmação oficial.

Segundo o JN, há elementos da Igreja que suspeitam de que a fuga tenha vindo da Presidência. “É, no mínimo, duvidoso em termos protocolares”, refere um bispo citado pelo JN e que prefere o anonimato. Fonte oficial de Belém já negou e acrescenta que Marcelo Rebelo de Sousa ficou “estupefacto” com o anúncio antecipado. O Ministério dos Negócios Estrangeiros português e o Patriarcado não quiseram prestar declarações sobre o assunto.

A possibilidade de as jornadas se realizarem em Portugual surgiu com um convite de D. Manuel Clemente ao Vaticano no ano passado, A Suécia e a República Checa são apontados como fortes candidatos, a par com Portugal.

O evento é um dos maiores da Igreja Católica e reúne cerca de um milhão de jovens de todo o mundo. No próximo ano, as JMJ terão lugar no Panamá e vão contar com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)