GNR

Governo aceitou exoneração do diretor do centro de formação da GNR em Portalegre

Ministro da Administração Interna confirmou que o Governo aceitou a exoneração do diretor do centro de formação da GNR em Portalegre. Decisão surge após notícias de alegadas agressões a formandos.

Eduardo Cabrita anunciou a decisão durante uma cerimónia de entrega de veículos à GNR

PAULO NOVAIS/LUSA

O ministro da Administração Interna confirmou esta terça-feira que aceitou a exoneração do diretor do centro de formação da GNR de Portalegre, depois de denúncias que davam conta de agressões durante o exercício e que já motivaram a abertura de um inquérito por parte do Ministério Público. Eduardo Cabrita justificou a decisão com o facto de não ser “admissível a demora na facultação de factos relevantes” e garantiu que irá disponibilizar todas as imagens captadas durante a sessão de formação para propósitos de investigação.

[O que é a prova de “bastão extensível” que lesionou formandos da GNR? Veja o vídeo:]

Em declarações aos jornalistas durante uma cerimónia de entrega de veículos à GNR, na Batalha, o ministro da Administração Interna afirmou que ficou “desagradavelmente surpreendido” com aquilo de que teve conhecimento. Em causa estão as violentas agressões a 10 guardas em formação por parte de um formador durante o módulo de “bastão extensível” no curso de formação da GNR que decorreu em Portalegre, segundo avançou na segunda-feira o Jornal de Notícias. Os formandos sofreram graves lesões, houve recrutas que perderam os sentidos e um deles ficou mesmo em risco de perder em visão por lesões oculares. Alguns tiveram mesmo de ser operados no Hospital de S. José, em Lisboa. Tudo aconteceu durante o 40.º curso do Centro de Formação que decorreu entre 1 de outubro e 9 de novembro.

Os guardas em formação terão sido agredidos e humilhados por um formador a que tecnicamente se chama “Red Man”, um guarda vestido de vermelho com luvas de boxe e uma armadura de proteções da cabeça aos pés que luta contra recrutas que tinham apenas um bastão de plástico (de PVC e borracha) e roupa casual (calças e t-shirt).

O JN acrescentava ainda que oito ou nove recrutas foram “internados no Hospital de São José, de urgência, com narizes partidos, fraturas nos dedos das mãos e, no caso de um deles, lesões oculares”. Começaram por ser assistidos no Hospital de Portalegre, mas foram transferidos para Lisboa devido à gravidade das lesões. Há ainda relatos de outros recrutas que também foram agredidos, mas decidiram não recorrer a assistência médica da enfermaria com medo de represálias.

“O instrutor claramente perdeu a cabeça”

Em declarações ao Diário de Notícias, Carlos Chaves, General do Exército e antigo dirigente da escola da GNR durante três anos, afirmou que, depois de ter visto as imagens dos treinos dos alunos, não havia dúvidas: “O instrutor claramente perdeu a cabeça”. Carlos Chaves criticou ainda a falta de acompanhamento por parte dos instrutores referindo que na altura em comandou a Escola “havia instruções claras para estes treinos serem supervisionados pelo comandante de comandante, pelo comandante de batalhão e, sempre que possível, pelo comandante da unidade”.

“O que aconteceu só foi possível por falta de supervisão”, disse ainda o General do Exército, acrescentando que “os senhores oficiais têm de sair mais dos gabinetes e acompanhar a instrução no terreno”. E diz não entender porque é que “o instrutor dá pontapés, quando o treino era apenas com o bastão”. “É inadmissível que só tenha havido reação depois de divulgadas as imagens. O que aconteceu é muito grave”, concluiu ainda sobre a instauração do inquérito.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)