Do que se fala sempre que o tema é os carros eléctricos é das baterias de lítio, mas o que todos fabricantes estão à espera é dos acumuladores sólidos, aqueles que trocam o electrólito líquido por uma solução muito viscosa ou mesmo sólida, que permita construir baterias mais pequenas, leves e com maior densidade energética, que simultaneamente sejam mais baratas de produzir e mais rápidas de recarregar, uma vez que não correm o risco de aquecer excessivamente ou de ter fugas e arder.

Nas mentes dos técnicos mais optimistas, as baterias sólidas serão uma realidade dentro de três a cinco anos. Por isso, imagine-se a surpresa quando uma startup chinesa anunciou ter iniciado a produção de baterias sólidas. É certo que uma cientista portuguesa já tinha feito isto mesmo em Abril de 2017, quando afirmou que tinham fabricado protótipos de validação e restava apenas avançar para a produção em série. Mas o mais recente anúncio sobre esta matéria prende-se com a reivindicação da Qing Tao Energy Development Co, uma startup nascida na Universidade de Tsinghua, que é uma das mais conceituadas na China, que declarou ter começado já a produzir as denominadas baterias sólidas.

O responsável pela startup, Nan Cewen, disse à imprensa chinesa que investiu mil milhões de yuan, cerca de 129 milhões de euros, na linha de produção localizada em Kunshan, com uma capacidade anual estimada de 100 MWh, que poderá crescer até aos 700 MWh em 2020. De momento, segundo Cewen, a empresa está a concentrar-se em fabricar acumuladores para equipamentos especiais e para produtos altamente sofisticados, mas admite estar igualmente em conversações com inúmeros fabricantes de automóveis.

Segundo o responsável pela Qing Tao Energy Development Co, já atingiram o objectivo de uma densidade energética de 400 Wh/kg, o que sendo um bom valor, não é muito quando comparado com as baterias convencionais de lítio da última geração, que vão estar montadas nos novos veículos eléctricos a partir do final de 2019. Vamos pois aguardar pelo primeiro veículo equipado com esta tecnologia, para constatarmos até que ponto se trata de um avanço, ou se tudo não passa de uma sofisticada operação de marketing, do Estado chinês, tentando atrair ainda mais clientes para a sua indústria de baterias.