Angola

Angola quer que OPEP encontre um “preço justo” para o petróleo

Angola defende que Organização dos Países Exportadores de Petróleo deve encontrar "soluções" para estabelecer um "preço justo" do barril de petróleo que satisfaça produtores e consumidores.

Na reunião de Viena vai discutir-se a estratégia da organização para 2019 e o volume de produção face à queda do preço do crude nos mercados internacionais

STRINGER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Angola defendeu esta quinta-feira que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), cujos membros se reúnem em Viena esta quinta-feira, deve encontrar “soluções” para estabelecer um “preço justo” do barril de crude.

Em declarações à imprensa antes de deixar Luanda para a capital austríaca, o ministro dos Recursos Minerais e Petróleos angolano, Diamantino de Azevedo, indicou esperar que, na reunião, se encontrem soluções para o preço do barril de petróleo que satisfaça os produtores e os consumidores.

“Temos a expectativa de que se encontrem soluções que correspondam aos anseios dos membros da OPEP e também dos membros não pertencentes à OPEP, mas que trabalham em conjunto com a organização. Queremos encontrar soluções para que seja definido um preço justo para os produtores e que também satisfaça os utilizadores deste produto”, disse.

Diamantino Azevedo salientou que a fixação dos preços do petróleo nos mercados internacionais tem “uma característica volátil”, embora passe também, atualmente, “por questões geopolíticas”. “Isso não é nada de novo. A organização está preparada e tem experiência suficiente para lidar com essa situação”, sublinhou o governante angolano.

Na reunião de Viena vai discutir-se a estratégia da organização para 2019 e o volume de produção face à queda, nas últimas semanas, do preço do crude nos mercados internacionais que, depois de atingir os 80 dólares/barril, tem vindo a descer.

Esta quinta-feira, o barril de petróleo Brent, para entrega em fevereiro, abriu no mercado de futuros de Londres cotado a 60,89 dólares, uma variação negativa de 1,29% em relação ao fecho de quarta-feira, quando o preço do petróleo que serve de referência para Angola fechou a 61,56 dólares.

Na quarta-feira, o Presidente norte-americano, Donald Trump, pediu à OPEP para não fazer subir os preços do petróleo. Há seis meses, a OPEP aprovou aumentos da produção para evitar que os preços do crude subissem acima dos 100 dólares. Em Viena, porém, a discussão agora é à volta de estratégias de redução da produção.

A definição de um “preço justo” do barril de petróleo nos mercados internacionais tem gerado grande expectativa e apreensão em Angola, sobretudo depois de o Governo ter apresentado uma proposta de Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2019 com base nos 68 dólares, que será votada a 14 deste mês no Parlamento.

Isso mesmo foi manifestado a 27 de novembro pela presidente da Comissão de Economia e Finanças da Assembleia Nacional angolana, Ruth Mendes, fazendo depender uma eventual alteração do OGE para 2019 dos resultados saídos da reunião da OPEP.

“É de todos nós [preocupação], até mesmo do executivo. Na aprovação na generalidade do OGE, o ministro das Finanças também referiu essa questão. Na audição que tivemos com a secretária de Estado, ela também referiu que o executivo está preocupado com o facto de o preço do barril do petróleo estar a baixar”, sublinhou.

Por seu lado, o secretário de Estado para os Petróleos angolano, Jerónimo Paulino, questionado pela Lusa, indicou que o Governo está a tomar um conjunto de medidas para a diversificação económica, para que o petróleo “possa, no futuro, empatar menos o normal funcionamento da economia”.

O Presidente de Angola, João Lourenço, durante a visita de Estado que efetuou de 22 a 24 de novembro a Portugal, admitiu que, se a tendência de queda do preço do crude se mantiver, o “plano B” de Luanda passa por acelerar o processo de privatizações.

“Temos um calendário de privatizações que (…) pode vir a ser influenciado caso o preço do barril de petróleo siga esta tendência baixista. Se seguir essa tendência baixista, com certeza que o calendário deverá ser ajustado com mais facilidade”, explicou, admitindo que o processo venha a ser mais rápido.

O grupo da petrolífera estatal angolana Sonangol lidera este processo de privatizações, com a administração a pretender privatizar 52 empresas e dois conjuntos de ativos de atividades não nucleares do grupo. De acordo com dados do relatório de fundamentação da proposta de OGE para 2019, o Governo estima a exportação de cada barril de crude a um preço médio a 68 dólares, face aos 50 dólares inscritos nas contas de 2018.

Na previsão do Governo, a produção média diária de petróleo bruto em 2019, em Angola, será de 1,57 milhões de barris – em linha com a média dos últimos dois anos -, acrescida de 100.000 barris diários de LNG (gás natural).

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)