Rádio Observador

Bombeiros

Cabrita acusa Liga dos Bombeiros de “irresponsabilidade”, Marta Soares devolve: “Sabe que mentiu, não sabe?”

790

O ministro da Administração Interna acusou a Liga dos Bomeiros de ser "absolutamente irresponsável" e alerta para riscos de corte operacional com Proteção Civil. Marta Soares acusa-o de mentir.

Carlos Barroso/LUSA

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, acusou este domingo de manhã a Liga dos Bombeiros Portugueses de ser “absolutamente irresponsável”, depois de ter sido decidido por aquele órgão que vai “suspender toda a informação operacional aos respetivos Comandos Distritais de Operações de Socorro”, da Proteção Civil.

“É absolutamente irresponsável e põe em causa a segurança dos portugueses. É absolutamente irresponsável admitir que estruturas que integram o sistema nacional da Proteção Civil possam não reportar ao sistema, isto é, por em causa a coordenação de meios”, disse Eduardo Cabrita este domingo de manhã. O ministro disse mesmo que era “ilegal” não reportar informação às autoridades competentes e disse que haverá “consequências” para os incumpridores.

Numa mensagem direta aos bombeiros voluntários, Eduardo Cabrita disse ainda: “Não ponham em causa esta prioridade absoluta que é a garantia da segurança das populações e a necessidade de coordenação entre todos os meios de resposta em função da natureza e dimensão da ocorrência”.

“O governo assegura a segurança dos portugueses e apela a que todas as ocorrências sejam participadas a partir do sistema do 112, porque essa é a única forma de garantir a comunicação plena entre todas as autoridades”, acrescentou.

Marta Soares: “Você sabe que esteve a mentir, não sabe, senhor ministro?”

Momentos depois da comunicação do ministro da Administração Interna, Jaime Marta Soares, presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses acusou Eduardo Cabrita e o governo de mentirem quanto à suposta menor preparação dos bombeiros para acudirem às mais diversas ocorrências, perante o corte de relações com a Proteção Civil. “Você sabe que esteve a mentir, não sabe, senhor ministro?”, disse Jaime Marta Soares, de olhar fixo na câmara da RTP. “Não põe minimamente em causa, como o senhor minisro disse, a segurança das pessoas. Convido os portugueses a passarem pelos quartéis para verem se há ou não bombeiros.”

Jaime Marta Soares queixou-se também de flta de diálogo por parte do governo. “Temos ido a variadíssimas reuniões com o senhor ministro, entrávamos com uma mão vazia e saíamos com um mão cheia de nada. E dissemos há dias que bastava, que não estávamos para sermos humilhados e desrespeitados”, disse à RTP. Jaime Marta Soares acusou o ministro da Administração Interna de “falta de sentido de responsabilidade de Estado perante aqueles que são o princpal agente de decisão em Portugal”.

Ainda sábado à noite, Em declarações à RTP, o presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, Jaime Marta Soares, já tinha dito: “Vamos para os fogos mas não vamos comunicar nada aos CDOS”. Às populações, disse que estivessem “descansados”. “Nós somos capazes de fazer tudo para os salvaguardar, salvar e defender, com ou sem governo”, disse. E acrescentou: “Não está nada comprometido porque as tropas somos nós e somos tropas que estão no terreno”.

A tomada de decisão do Conselho Nacional da Liga dos Bombeiros ocorreu este sábado e surgem como reação às propostas aprovadas pelo Governo em 25 de outubro na área da proteção civil. A maior contestação centra-se nas alterações à lei orgânica da Autoridade Nacional de Emergências e Proteção Civil, futuro nome da atual ANPC, reivindicando a Liga Nacional de Bombeiros Portugueses uma direção nacional de bombeiros “autónoma independente e com orçamento próprio”, um comando autónomo de bombeiros e o cartão social do bombeiro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)