Angola vai criar uma equipa técnica que irá proceder ao levantamento e identificação de “objetos culturais” presentes em museus portugueses, número “impossível de quantificar” devido às relações históricas entre os dois países, disse esta segunda-feira fonte oficial angolana.

Em declarações à agência Lusa, Zivo Domingos, diretor nacional dos Museus de Angola, sob tutela do Ministério da Cultura angolano, salientou tratar-se de uma “estratégia” de longo prazo, indicando que o levantamento não será feito só em Portugal, como também na maioria dos países europeus e nas Américas.

“No Ministério da Cultura [angolano] estamos a trabalhar numa estratégia. Estamos a criar uma equipa que terá como principal missão fazer o levantamento e identificação desses objetos, não só em Portugal, mas também no resto da Europa e nas Américas”, sublinhou.

“A partir daí, teremos um inventário muito mais sistematizado e, depois, iremos acionar mecanismos, quer a nível diplomático, quer a nível da cooperação técnica e científica, para ver a possibilidade de recuperar os objetos para Angola”, acrescentou.

Zivo Domingos afirmou desconhecer quantos “objetos culturais” estão em Portugal: “É difícil dizer tendo em conta o passado histórico entre Angola e Portugal”, disse, admitindo tratar-se de um “número grande”. “Mas não o posso dizer de forma taxativa”, ressalvou.

Segundo Zivo Domingos, o Ministério da Cultura angolano vai contactar em breve o congénere português e pensa enviar logo que possível a missão a Portugal para proceder ao levantamento.

“Penso que é o caminho mais certo. Nós, sendo o serviço executivo do Ministério da Cultura, damos tratamento a essa matéria e vamos sugerir à ministra e ao executivo angolano os passos técnicos e científicos que devem começar a ser dados no sentido de começar a fazer esse levantamento. Tudo parte daí, e só depois podemos colocar outras questões”, sublinhou.

Questionado sobre quanto tempo crê que demorará o processo de levantamento e inventariação, o diretor nacional dos Museus de Angola considerou também ser difícil calendarizar.

“Não podemos definir aqui hoje um horizonte temporal. Temos é de começar agora e, depois, veremos quanto tempo poderá demorar”, respondeu, lembrando que Angola conta com uma rede de 15 museus – sete na capital, Luanda, e os restantes oito distribuídos pelas províncias angolanas de Cabinda, Zaire, Huambo, Huíla e Benguela.

Zivo Domingos indicou que grande parte do acervo cultural e histórico angolano disperso por todo o mundo está em Portugal, nomeadamente no Museu Nacional de Etnologia.