Síria

Netanyahu avisa que Israel irá proteger-se perante a retirada dos EUA da Síria

O primeiro-ministro israelita disse que respeita a decisão dos EUA de retirarem as tropas da Síria, mas alerta que "Israel defenderá a sua segurança, protegendo-se nesta frente" .

Os israelitas têm manifestado repetidamente preocupação pela crescente influência do Irão na Síria

ABIR SULTAN/EPA

O primeiro-ministro israelita disse esta quarta-feira que respeita a decisão de Donald Trump de retirar da Síria os dois mil soldados que os Estados Unidos mantêm no terreno, mas avisou que o seu país “irá proteger-se perante a nova situação”.

“Esta é, naturalmente, a decisão dos Estados Unidos. Israel defenderá a sua segurança, protegendo-se nesta frente”, disse Benjamin Netanayahu, em comunicado.

Os Estados Unidos anunciaram esta quarta-feira que vão retirar da Síria os dois mil soldados norte-americanos, “de forma rápida e completa”.

A iniciativa terá partido do próprio Presidente dos EUA, Donald Trump, e produzirá efeitos já em 2019, embora os norte-americanos continuem com tropas no Iraque, com capacidade de desferir ataques na Síria.

Netanyahu revelou esta quarta-feira que discutiu o assunto na segunda-feira, ao telefone, com Trump e com o secretário de Estado americano Mike Pompeo.

“A Administração americana informou-me sobre a intenção do Presidente de retirar as suas tropas da Síria. Esclareceram que têm outras formas de exercer a sua influência neste cenário”, adiantou o primeiro-ministro israelita.

As tropas americanas lideram desde 2014 a coligação internacional contra a ameaça terrorista.

“Derrotámos o [grupo ‘jihadista’] Estado Islâmico na Síria, a única razão para estar ali durante a Presidência”, afirmou Donald Trump através da sua conta na rede social Twitter.

Netanyahu assegurou que durante a conversa com Trump e Pompeo foi discutido o calendário da retirada das tropas e as implicações que essa mediada terá para a segurança de Israel.

Os israelitas têm manifestado repetidamente preocupação pela crescente influência do Irão na Síria.

Analistas de Israel antecipam que a retirada americana dará o controlo total da Síria às forças do Presidente Bashar al-Assad, ao seu aliado iraniano e à milícia xiita libanesa Hezbollah.

Israel tem mantido até aqui alguma liberdade de ação na Síria, através de bombardeamentos contra alvos determinados, na tentativa de impedir que o Irão reforce a sua presença no país.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Inês Domingos

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)