Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo ouviu as Janeiras e fez apelo à tolerância, contra radicalismos

Presidente da República assistiu às janeiras no Palácio de Belém, pela Sociedade Musical de Vouzela, e fez apelo ao "espírito de família", à tolerância, que se evite a violência e a radicalização.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

O Presidente da República assistiu este domingo às tradicionais janeiras no Palácio de Belém, pela Sociedade Musical de Vouzela, e fez um apelo ao “espírito de família”, à tolerância, que se evite a violência e a radicalização. Em Dia de Reis, e depois de ouvir uma mistura de janeiras tradicionais e um miniconcerto de Ano Novo, que incluiu “Ave Maria”, de Gunot, ou “Pompa e Circunstância”, de Elgar, na sala das Bicas, Marcelo Rebelo de Sousa agradeceu e quis deixar “quatro palavras”.

As janeiras, afirmou, “traduzem o espírito desta época”, mas que deve “transitar para as outras épocas ao longo ao ano”, em que se deve respeitar a riqueza de quem pensa “de maneira diferente”. “Seria insuportável de viver numa sociedade que fosse toda igual, igual nas ideias, nos projetos, nas ambições das pessoas, nas carreiras, nos sonhos”, afirmou.

Para Marcelo, é preciso “saber conjugar as ideias”, que são diversas, mas deve também existir “um respeito recíproco, uma aceitação do pensamento dos outros”. É preciso, disse, “saber não ultrapassar nunca um limite, um patamar que afaste a violência, a agressividade excessiva, que afaste as tentações ou provocações no sentido de radicalizar o que depois empobrece o espírito de família”.

O chefe do Estado convidou a Sociedade Musical Vouzelense a cantar as Janeiras em Belém, depois de ter visto os músicos, na sua maioria jovens, nas férias de Verão de 2018, quando visitou zonas do país afetadas pelos grandes incêndios do ano anterior.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

Enfermeiros: Presidente traiu o dever de isenção 

Humberto Domingues
2.817

O Presidente da República traiu o seu dever da isenção, num programa de televisão, qualificando algumas questões profundas, com um discurso pobre, superficial, tendencioso, daninho e danoso.

Governo

Pode alguém pedir que se aja com escrúpulos?

Rita Fontoura

A falta de escrúpulos está a destruir o nosso país. Fomos enganados e estamos a ser enganados. É algo que não salta à vista e por isso engana, o que não espanta já que quem nos governa teve bom mestre

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)