CDS-PP

CDS discute critérios para listas de deputados

Tanto Raul Almeida como Matos Santos desaconselham Cristas a impor decisões, sem ter em conta a opinião das estruturas distritais.

Cristas reúne, de manhã, a comissão política nacional, ficando a tarde reservada, em Oliveira de Frades, Viseu, para a reunião do conselho nacional

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O CDS-PP arranca este sábado o processo de escolha de candidatos às legislativas, numa altura em que grupos e tendências internas reclamam, com mais ou menos vigor, lugares elegíveis de deputados. Este debate é lançado por Assunção Cristas, a líder do partido, num conselho nacional do CDS, a cerca de nove meses das eleições legislativas, já agendadas para 06 de outubro.

A direção nacional não divulgou ainda os critérios, o que só deverá fazer este sábado, dia em que Cristas reúne, de manhã, a comissão política nacional, ficando a tarde reservada, em Oliveira de Frades, Viseu, para a reunião do conselho nacional.

As poucas declarações conhecidas de Assunção Cristas nesta questão foram, há semanas, numa entrevista a um jornal da Universidade Católica de Braga, ao defender que os candidatos devem ter “dimensão nacional” e “qualidade” para acompanharem os temas na Assembleia da República.

Raul Almeida, ex-deputado e que representa a lista alternativa liderada por Filipe Lobo d’Ávila no conselho nacional, afirmou à Lusa que este grupo “não exige lugares” nas listas nem quer negociar diretamente com a líder, mas admitiu que a bancada reflita “a diversidade no congresso”.

Já Abel Matos Santos, da Tendência Esperança em Movimento (TEM), uma corrente interna do partido, defendeu, também à Lusa, que as escolhas devem ser feitas “de baixo para cima” e as “distritais devem ter a palavra primordial, obviamente concertada” com a comissão política nacional e Assunção Cristas. Para este dirigente, que tem assento na comissão política de Cristas, deve ser tida em conta a representatividade das três listas a votos no congresso de março de 2018 (cerca de 30%).

Tanto Raul Almeida como Matos Santos desaconselham Cristas a impor decisões, sem ter em conta a opinião das estruturas distritais. A Juventude Popular tem uma posição há muito conhecida de voltar a ter representação no grupo parlamentar do partido, que deixou de ter em 2015.

Nas legislativas de outubro de 2015, o CDS o concorreu em coligação com o PSD, tendo os dois partidos obtido 36,8% dos votos. Os centristas elegeram 18 deputados.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O peso das escolhas

Miguel Alvim

O único, exclusivo e fundamental ponto é este sinal imensamente negativo dado à sociedade: é que, afinal, parece que o cargo não executivo na Galp é mais importante do que ser vice-presidente do CDS.

Obituário

O meu amigo Augusto Cid

Alexandre Patrício Gouveia

Sem Augusto Cid Camarate teria, para sempre, sido descrito como mero acidente, e os portugueses teriam vivido com uma mentira relativamente à morte do seu primeiro-ministro e do seu ministro da Defesa

Crónica

Mais 5 dias inúteis /premium

Alberto Gonçalves

Claro que o ar do tempo começa a tornar-se irrespirável e que uma sociedade fundamentada na desconfiança e na delação não promete um futuro risonho. Claro que me apetecia fazer queixa. Mas a quem?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)