O jornalista ganês Ahmed Hussein-Suale foi morto a tiro na quarta-feira passada a caminho de casa, segundo BBC News. O jornalista estava investigar o caso de corrupção no futebol africano e foi morto com três tiros, na capital ganesa, Accra. O jornalista “foi baleado e morto” por homens, ainda não identificados, que seguiam numa motorizada.

Ahmed Hussein-Suale, de 34 anos, fez parte do grupo de jornalistas de investigação Tiger Eye. A organização, fundada pelo jornalista Anas Aremeyaw Anas, expõe corrupção, tráfico de seres humanos, contrabando, entre outros casos, e colabora com as organizações internacionais.

Ahmed participou na investigação de corrupção do futebol africano. O trabalho minucioso dos jornalistas originou o documentário “Number 12”, que foi divulgado em junho de 2018. Através de jornalistas infiltrados na organização de investigação Tiger Eye, foi possível provar que os dirigentes da Federação de Futebol ganesa, o presidente Kwesi Nyantakyi, dezenas de árbitros ganeses e de outros países africanos estavam envolvidos num esquema de corrupção. O Ghana Culture Politics partilhou o documentário na sua página de Youtube.

A longa-metragem tem cerca de 2 horas e revela negociações mantidas com potenciais “investidores”, que, em troca de contratos lucrativos com o governo ganês, ofereciam presentes no valor de milhões de dólares. Após a divulgação do documentário, o presidente da federação ganesa demitiu-se. Foi acusado de corrupção em outubro e proibido pela FIFA de exercer qualquer atividade relacionada com o futebol, além de ter sido obrigado a pagar 440 mil euros de multa. Mais de 50 árbitros africanos também foram suspensos da Confederação Africana de Futebol (CAF).

Anas já reagiu à notícia da morte do jornalista Ahmed Hussein-Suale ao publicar um vídeo na sua página de Facebook onde escreve: “Notícias tristes, mas não seremos silenciados. Descanse em paz, Ahmed. Não me podem calar”

No vídeo vê-se o membro do Parlamento, Kennedy Agyapong, a divulgar a foto do Ahmed na televisão pública e oferecer uma recompensa a quem o espancasse.

Sad news, but we shall not be silenced. Rest in peace, Ahmed.

Sad news, but we shall not be silenced. Rest in peace, Ahmed.#JournalismIsNotCrime #SayNoToCorruption

Posted by Anas Aremeyaw Anas on Wednesday, January 16, 2019

De acordo com GhanaWeb, a comissão nacional dos média apelou à polícia para iniciar uma investigação. “É do interesse do país deter os autores deste crime”, disse o presidente da comissão, Yaw Boadu Ayeboafo.