Dark Mode 134kWh poupados com o Asset 1
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Hoje é um bom dia para mudar os seus hábitos. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Falta sobre Gabriel no 0-1? Mão de Seferovic no 1-1? Rafa fora de jogo no golo anulado? Os casos do clássico

Benfica queixou-se de falta sobre Gabriel no 0-1, FC Porto reclamou mão de Seferovic no 1-1 e intervalo chegou com um golo anulado a Pizzi que levantou dúvidas... de Braga a Manchester.

i

FC Porto e Benfica tiveram um clássico intenso, bem disputado e com críticas de ambos à arbitragem

LUSA

FC Porto e Benfica tiveram um clássico intenso, bem disputado e com críticas de ambos à arbitragem

LUSA

O Benfica-FC Porto começou a um ritmo absolutamente frenético e com 20 e poucos segundos de jogo já havia queixas por parte dos jogadores azuis e brancos sobre uma eventual falta sobre Marega na área encarnada. Ainda surgiram mais quedas em que se ficou a pedir penálti, protestos pelos critérios disciplinares de Carlos Xistra e reclamações nos três primeiros golos, bem como num outro lance já nos descontos da primeira parte em que foi invalidado aquele que seria o empate de Pizzi a dois.

Luís Gonçalves e Rui Costa expulsos por protestos durante a primeira parte do Benfica-FC Porto

Em lance corrido, Marega surgiu isolado na área descaído sobre o lado direito, rematou para defesa de Svilar e, na recarga, Brahimi foi mais rápido e encostou para o 0-1 na área. No entanto, os jogadores encarnados ficaram a protestar uma falta sobre Gabriel no início da jogada, que acabou por apanhar em contra pé o conjunto de Bruno Lage. O VAR, que esta noite estava com Fábio Veríssimo, da Associação de Futebol de Leiria, analisou o lance desde o início e deu indicações a Xistra para validar o golo; o árbitro albicastrense, perante o que ouviu, confiou e mandou seguir o encontro.

Pouco depois, Rafa fez o 1-1 numa recarga após nova defesa de Vaná a remate de Seferovic e parecia que estava tudo pronto para o recomeço da partida quando Xistra recebeu indicações da Cidade do Futebol a propósito de uma possível mão do avançado suíço quando recebeu a bola na área antes do primeiro remate. O árbitro analisou no relvado as imagens perante essa dúvida que tinha sido transmitida por Fábio Veríssimo e validou o golo quando o helvético tentava explicar que tinha controlado com o peito.

Houve muitos protestos no banco dos dragões e Luís Gonçalves, diretor do futebol azul e branco, recebeu mesmo ordem de expulsão. Brahimi, pronto para recomeçar a partida, pedia celeridade no processo. E parecia estar a adivinhar o que viria a seguir, menos de um minuto depois desse pontapé de saída: o argelino cruzou na esquerda ao segundo poste, Corona assistiu no meio para Marega e o maliano, sem marcação após a queda de Grimaldo, rematou forte para o 1-2. Ainda houve reclamações sobre uma possível falta do avançado sobre o lateral mas, neste caso, não pareceu haver dos árbitros dúvidas sobre o lance.

Já nos descontos da primeira parte, e num lance de contra-ataque, Seferovic lançou bem Rafa que surgiu isolado frente a Vaná e assistiu para o lado onde Pizzi empurrou para o golo. O árbitro assistente deixou o lance seguir mas acabou por invalidar. Carlos Xistra recebeu indicações do VAR e confirmou essa irregularidade, no passe do sérvio para o avançado português. E até Bernardo Silva, internacional português do Manchester City formado no Benfica, comentou essa bola nas redes sociais, surgindo quase de imediato inúmeros comentários de apoio ou contra o esquerdino, recordando outros lances de clássicos. Quer em lance corrido, quer nas repetições, não existe qualquer imagem que tire a limpo o fora de jogo assinalado ao internacional.

Antes, ainda dentro dos dez minutos iniciais do encontro, Marega (1′) e Corona (8′) já tinham ficado a reclamar na área do Benfica possíveis faltas para penálti.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.