Rádio Observador

CDS-PP

CDS desafia partidos a “irem a jogo” no pacto para a Justiça

Lembrando que Marcelo pediu um pacto para a justiça há "ano e meio" centristas dizem que não vão esperar mais: marque-se o debate. E em resposta indireta a Rio, dizem que sim a um novo inquérito à CGD

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo pediu um pacto para a justiça “há ano e meio”. O CDS respondeu com “propostas” no Parlamento, mas queixa-se de que foi o único partido que o fez. O PSD, no âmbito do seu Conselho Estratégico, desenhou um plano para a justiça, mas que não chegou ao Parlamento (nem aos próprios deputados do PSD). E isso, o CDS nem referiu. Por isso é que, esta segunda-feira, no âmbito das primeiras jornadas parlamentares do ano, onde a segurança interna vai ser um dos assuntos mais discutidos, o CDS insistiu no apelo: “Venham a jogo, mostrem o que têm”.

“Não deixaremos cair uma matéria que foi há ano e meio suscitada pelo Presidente da República, e que mereceu silêncio generalizado dos partidos: a Justiça”, começou por dizer o líder parlamentar, Nuno Magalhães, no discurso oficial de abertura dos trabalhos, lembrando que os centristas apresentaram propostas, mas que os restantes partidos lhes pediram para esperar. O CDS esperou, e nada, as propostas ficaram na gaveta, na comissão parlamentar. “Passaram-se mais de nove meses sem que os partidos apresentassem as suas propostas”, disse, lançando o desafio: “Que se agende o debate sobre a Justiça e que cada um venha a jogo, sendo eficaz e consequente, para que o CDS possa ver votadas as suas medidas de uma vez”.

Isto depois de Nuno Magalhães, que já foi secretário de Estado da Administração Interna, ter criticado a resposta do Governo aos distúrbios da última semana no bairro da Jamaica, no Seixal, e ter garantido que o CDS não tem medo de “falar claro e falar duro” em matérias de segurança, para lutar contra aquilo que diz ser uma “cultura de transgressão onde a impunidade é regra”.

Outra matéria onde o líder parlamentar centrista prometeu ser implacável foi o caso da Caixa Geral de Depósitos, e os novos dados conhecidos com a última auditoria tornada pública. Nuno Magalhães garantiu que o CDS iria “recorrer a todo e qualquer instrumento regimental” para fiscalizar os “abusos manifestados” cometidos na Caixa Geral de Depósitos, não rejeitando por isso a hipótese de uma nova comissão parlamentar de inquérito como foi referido esta segunda-feira pelo líder do PSD, Rui Rio.

CDS ataca “embirração” e “fanatismo ideológico” do Governo

As jornadas parlamentares do CDS, apesar de só terem sido oficialmente abertas com o discurso do líder parlamentar, já tinham começado pela manhã, com uma visita dos deputados e da líder do partido a uma empresa têxtil de Guimarães e, depois, ao Hospital de Braga — uma Parceria Público-Privada cuja gestão nestes moldes tem os dias contados. Foi aí que, em registo de pré-campanha eleitoral, os centristas atacaram o Governo de António Costa, por estar a reverter aquela PPP “apenas e só por puro fanatismo ideológico e por estar refém da extrema esquerda”.

“Há dois anos consecutivos que o Hospital de Braga é o melhor hospital do país em oito áreas clínicas, e este governo quer dar a este hospital aquilo que se tem visto que dá ao resto dos hospitais do SNS: serviços que funcionam mal, não por culpa dos médicos e profissionais de saúde, mas por falta de material e de meios”, disse o eurodeputado Nuno Melo na abertura do painel de discussão da tarde. Já antes, no próprio hospital, Assunção Cristas tinha defendido que este tipo de gestão público-privada tinha “poupado muito dinheiro ao Estado, na medida em que este hospital já se pagou a si próprio duas vezes”, mas que, mesmo assim, o Governo quer acabar com a parceria.

“Porque é que se vai mudar algo que está a funcionar tão bem?”, questionaria Assunção Cristas, para responder logo de seguida: “Por embirração ideológica”. “Está provado que o modelo funciona, a solução é boa para os doentes, os profissionais de saúde e o Estado, por isso é lamentável e chocante que o Governo faça estas concessões à esquerda mais radical”, disse a líder dos centristas referindo-se à reversão da gestão hospitalar daquele hospital do Estado prevista para o dia 31 de agosto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
PSD/CDS

A beira do precipício

José Ribeiro e Castro
912

A visão da beira do precipício serve para despertar. Se não querem deixar Portugal totalmente submetido à esquerda, PSD e CDS têm de fazer mais no tempo que falta. Sobretudo fazer melhor. E desde já.

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro
337

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

PCP

PCP: partido liberal falhado?

José Miguel Pinto dos Santos
6.765

Será então que a proposta eleitoralista de taxar depósitos acima de 100 mil euros um desvio liberal de um partido warxista? De modo algum. Não só é iliberal como irá agravar a próxima crise económica.

Maioria de Esquerda

A síndrome Maria Heloísa /premium

André Abrantes Amaral

Não pensem que a maioria absoluta livra o PS do BE ou do PCP. Tanto um como outro são já parte integrante do PS que recebeu de braços abertos membros que, noutras eras, teriam aderido ao PCP ou ao BE.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)