Ministério da Defesa

Ministro da Defesa diz que Portugal terá “capacidades superiores” em ‘ciberdefesa’

O ministro da Defesa Nacional afirma que os recursos humanos irão aumentar através da formação de militares e da contratação de civis para "evitar escalada de ameaças".

A Lei de Programação Militar prevê um investimento de 46 milhões de euros no espaço de 12 anos

MARIO CRUZ/LUSA

O ministro da Defesa Nacional afirmou esta terça-feira que dentro de “três a quatro anos” Portugal terá “capacidades superiores” na área da `ciberdefesa´ e defendeu mais partilha de informação e complementaridade entre Segurança e Defesa.

“Vamos aumentar significativamente os nossos recursos humanos formando militares e contratando civis, daqui por três quatro anos teremos capacidades bem diferentes e bem superiores daquelas que existem atualmente”, afirmou, em declarações à Lusa, à margem de um seminário sobre “Ciberdemocracia e Cibersegurança”, na Universidade Nova de Lisboa.

Com um investimento previsto de 46 milhões de euros no espaço de 12 anos na Lei de Programação Militar, aprovada na generalidade na passada sexta-feira, João Gomes Cravinho considerou que o montante “é o adequado face às capacidades” que o país “quer desenvolver”.

Na sua intervenção no Seminário, o governante considerou que Portugal “está a dar passos sólidos na criação de meios para a sua ciberdefesa” que é “uma parte integrante da cibersegurança nacional”.

“Apesar destes esforços significativos há um imenso espaço de incerteza que tem de ser reconhecido, lidamos com avanços tecnológicos exponenciais e inovações tecnológicas que estão na sua infância”, disse.

O ministro defendeu que é preciso “ir gradualmente construindo um espaço de diálogo cooperativo a nível internacional, onde medidas de confiança possam ser implementadas”.

Isso é “crucial”, disse, para “evitar escalada de ameaças que deixe, à semelhança do que foi a realidade nuclear da guerra fria, o planeta paralisado”.

O ministro identificou “várias linhas de tensão” que devem ser resolvidas “no âmbito do inter-relacionamento do conjunto das instituições nacionais”, defendendo “uma clarificação” da diferença entre “cibersegurança e ciberdefesa”.

“Segurança e Defesa são áreas de governação distintas, é certo, mas são áreas de grande complementaridade”, sustentou, acrescentando que “não compete à Defesa a definição de uma política de segurança nacional”.

A realidade do “ciberespaço” em que as “fronteiras” entre o domínio interno e externo, entre o público e o privado e entre o civil e militar “se esbatem” exige uma “clarificação urgente de funções e, essencialmente, mecanismos de coordenação sistemática de esforços”.

“É que as estruturas rígidas dos Estados e as estruturas militares altamente hierarquizadas exigem um conjunto de procedimentos — particularmente importantes em contextos democráticos, como é o nosso — que dificilmente se coadunam com o tempo de resposta a um ataque cibernético”, sustentou.

Nesse sentido, o “exercício da autoridade tem, assim, de prever a partilha e a delegação de competências, com regras claras de ação, nomeadamente em função do nível de resposta pretendido”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)