Ministério da Defesa

Ministro da Defesa diz que Portugal terá “capacidades superiores” em ‘ciberdefesa’

O ministro da Defesa Nacional afirma que os recursos humanos irão aumentar através da formação de militares e da contratação de civis para "evitar escalada de ameaças".

A Lei de Programação Militar prevê um investimento de 46 milhões de euros no espaço de 12 anos

MARIO CRUZ/LUSA

O ministro da Defesa Nacional afirmou esta terça-feira que dentro de “três a quatro anos” Portugal terá “capacidades superiores” na área da `ciberdefesa´ e defendeu mais partilha de informação e complementaridade entre Segurança e Defesa.

“Vamos aumentar significativamente os nossos recursos humanos formando militares e contratando civis, daqui por três quatro anos teremos capacidades bem diferentes e bem superiores daquelas que existem atualmente”, afirmou, em declarações à Lusa, à margem de um seminário sobre “Ciberdemocracia e Cibersegurança”, na Universidade Nova de Lisboa.

Com um investimento previsto de 46 milhões de euros no espaço de 12 anos na Lei de Programação Militar, aprovada na generalidade na passada sexta-feira, João Gomes Cravinho considerou que o montante “é o adequado face às capacidades” que o país “quer desenvolver”.

Na sua intervenção no Seminário, o governante considerou que Portugal “está a dar passos sólidos na criação de meios para a sua ciberdefesa” que é “uma parte integrante da cibersegurança nacional”.

“Apesar destes esforços significativos há um imenso espaço de incerteza que tem de ser reconhecido, lidamos com avanços tecnológicos exponenciais e inovações tecnológicas que estão na sua infância”, disse.

O ministro defendeu que é preciso “ir gradualmente construindo um espaço de diálogo cooperativo a nível internacional, onde medidas de confiança possam ser implementadas”.

Isso é “crucial”, disse, para “evitar escalada de ameaças que deixe, à semelhança do que foi a realidade nuclear da guerra fria, o planeta paralisado”.

O ministro identificou “várias linhas de tensão” que devem ser resolvidas “no âmbito do inter-relacionamento do conjunto das instituições nacionais”, defendendo “uma clarificação” da diferença entre “cibersegurança e ciberdefesa”.

“Segurança e Defesa são áreas de governação distintas, é certo, mas são áreas de grande complementaridade”, sustentou, acrescentando que “não compete à Defesa a definição de uma política de segurança nacional”.

A realidade do “ciberespaço” em que as “fronteiras” entre o domínio interno e externo, entre o público e o privado e entre o civil e militar “se esbatem” exige uma “clarificação urgente de funções e, essencialmente, mecanismos de coordenação sistemática de esforços”.

“É que as estruturas rígidas dos Estados e as estruturas militares altamente hierarquizadas exigem um conjunto de procedimentos — particularmente importantes em contextos democráticos, como é o nosso — que dificilmente se coadunam com o tempo de resposta a um ataque cibernético”, sustentou.

Nesse sentido, o “exercício da autoridade tem, assim, de prever a partilha e a delegação de competências, com regras claras de ação, nomeadamente em função do nível de resposta pretendido”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Igreja Católica

A Europa e a Páscoa dos Cristãos no Mundo

Raquel Vaz-Pinto
173

Ao celebrar a Páscoa e a sua compaixão devíamos reflectir sobre os sacrifícios dos cristãos que vivem longe e fazer a pergunta difícil e dolorosa: conseguiríamos manter a Fé e de seguir o seu exemplo?

PS

De novo, a propaganda socialista a chegar ao fim /premium

João Marques de Almeida
1.230

Uma certeza temos em relação aos governos do PS: está tudo a correr muito bem até ao dia em que começa tudo a correr muito mal. É quando a “política de comunicação” se torna curta para tanta realidade

Educação

Estado-educador e Estado-cultura, em marcha?

Mário Pinto

Não existe uma educação para a cidadania única e institucional. Há várias concepções de cidadania, mesmo como concepções de vida democrática, pois há pluralismo social e cultural, ou moral e religioso

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)