Crianças

Dezenas de milhares de crianças forçadas a participar em conflitos em África

Segundo o último relatório das Nações Unidas, o uso de crianças-soldado foi confirmado na RCA, RDCongo, Mali, Somália, Sudão, Sudão do Sul e Nigéria. Em termos globais, a ONU verifica um crescimento.

Estima-se que mais de 240 milhões de menores vivem, atualmente, em zonas de conflito

ABIR SULTAN/EPA

Dezenas de milhares de crianças estão a ser forçadas a participar em conflitos armados em África, afirmou esta terça-feira a organização não-governamental (ONG) Child Soldiers International, no Dia Internacional contra a Utilização de Crianças-Soldado.

“Os contínuos conflitos na Somália, Sudão do Sul, República Democrática do Congo (RDCongo), República Centro-Africana (RCA) e noutros países, fazem com que crianças fiquem mais expostas ao recrutamento”, lê-se num comunicado hoje divulgado pela ONG, com sede em Londres.

Meninos e meninas são utilizados habitualmente como combatentes e em postos de controlo, como informadores, saqueadores de aldeias e como escravos domésticos e sexuais”, acrescentou a organização, que combate o uso de menores em conflitos.

De acordo com o último relatório das Nações Unidas sobre crianças e conflitos armados, com números de 2017, o uso de crianças-soldado foi verificado na RCA, RDCongo, Mali, Somália, Sudão, Sudão do Sul e Nigéria. O continente africano viu, em 2017, crescer o número de crianças recrutadas pelo Al-Shabab (2.127) na Somália, e pelo menos 203 crianças a serem usadas em ataques suicidas pelo grupo ‘jihadista’ Boko Haram, nos Camarões e na Nigéria, de acordo com o relatório citado pela ONG.

No Sudão do Sul, pelo menos 1.221 crianças foram recrutadas, elevando para 19.000 o número de menores envolvidos no conflito que afeta o país desde final de 2013. Na RCA, desde o início do conflito, há seis anos, foi registado o recrutamento de 14.000 crianças, ao passo que na RDCongo, foi relatado o recrutamento de 3.000 jovens.

Em termos globais, a ONU verificou também um aumento do número de crianças recrutadas, que em 2017 atingiu os 8.185 menores em 15 países, um aumento de 159% face aos 3.159 menores de 12 países estimados em 2012.

A ONG calcula que, de acordo com os relatórios publicados entre 2013 e 2018, o número de recrutamentos alcance os 29.128 casos, espalhados por 17 países, embora metade destes sejam fora do continente africano, nomeadamente Síria, Iraque, Myanmar (antiga Birmânia) e Colômbia.

“Estas estatísticas, por si só, são chocantes e, provavelmente representam apenas uma parte da exploração infantil por membros armados no mundo”, afirmou a diretora da Child Soldiers International, Isabelle Guitard.

É fundamental que o mundo não faça vista grossa a este abuso contínuo e que os recursos locais e internacionais se amplifiquem e combinem para o enfrentar de forma mais eficaz”, apelou Guitard.

Estima-se que mais de 240 milhões de menores vivam, atualmente, em zonas de conflito, muitos dos quais deslocados, em situações de violência, fome ou exploração por parte de grupos armados.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cancro

Dia Internacional das Crianças com Cancro

João de Bragança
3.311

O mundo doloroso das crianças e jovens com cancro é isto: a falta de leis, de apoios sociais, de condições ou de políticas, o excesso de protagonismos ou de pequenas lutas próprias.

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)