Bloco de Esquerda

Bloco de Esquerda defende urgência no fim da caducidade da contratação coletiva

Catarina Martins acusou a Galp de "explorar os trabalhadores", em greve há 43 dias e denfende que é "preciso acabar com esta chantagem das empresas da caducidade unilateral da contratação".

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins,participou durante a manhã numa concentração junto à portaria principal da refinaria de Sines

TIAGO CANHOTO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, considerou esta quinta-feira”urgente” acabar com “a caducidade da contratação coletiva”, durante uma concentração de trabalhadores da refinaria de Sines da Petrogal.

“Esta greve, numa refinaria importante para a balança comercial, tem sido silenciada e o que está em causa é que querem descer os direitos dos trabalhadores, sendo inaceitável que uma empresa com o lucro que tem a Galp queira explorar trabalhadores”, disse Catarina Martins, que participou durante a manhã numa concentração junto à portaria principal da refinaria de Sines, no distrito de Setúbal.

Em declarações aos jornalistas, à margem da concentração que juntou cerca de 200 trabalhadores da Petrogal e da empresa Martifer, a coordenadora do BE acusou a Galp de “explorar os trabalhadores”, em greve há 43 dias consecutivos.

“Trata-se de uma luta justa”, que surge “no momento em que as maiores empresas do país, como a Galp, têm aumentado os dividendos que pagam aos seus acionistas ou aumentaram os salários dos seus administradores”, disse.

“É bom lembrar que quem produz a riqueza e faz o país andar são os trabalhadores que aqui estão todos os dias e os seus direitos e os seus salários são essenciais não só à sua vida, mas também à economia e à qualidade da democracia”, acrescentou.

Referindo que a greve já provocou “perdas no valor de 20 milhões de euros”, Catarina Martins defendeu que se trata de valores “que já respondiam às reivindicações dos trabalhadores”.

“Não faz por não ter capacidade financeira para responder às reivindicações dos trabalhadores, integrar os precários ou manter o contrato coletivo de trabalho, mas para poder descer os direitos dos trabalhadores e no futuro pô-los a ganhar cada vez menos, ou seja, o que está a acontecer é uma concentração da riqueza”, criticou.

Para a coordenadora do Bloco de Esquerda, “esta operação” tem de “ser contestada”, não só através da greve, como na Assembleia da República “com propostas de alteração da lei laboral”.

“É preciso acabar com esta chantagem das empresas da caducidade unilateral da contratação coletiva, com o recurso ao ‘outsourcing’, e é preciso ter uma nova lei do trabalho por turnos que respeite esta gente que tem estes horários de trabalho e esta penosidade tão grande no seu quotidiano”, defendeu.

Catarina Martins acusou o Governo de ser “conivente” com a administração da Galp Energia, quando insiste que “as alterações à legislação do trabalho só podem ser feitas aquelas que a concertação social aceitar”.

“Isso é permitir aos patrões um veto sobre o que há de ser as conquistas do trabalho e não só. Precisamos de reverter as alterações feitas no tempo da ‘Troika’ e que são essas que aqui na Galp estão a fazer com que a empresa queira acabar com o contrato coletivo de trabalho e piorar as condições de quem aqui trabalha”, defendeu.

A concentração foi convocada pelo Sindicato da Indústria e Comércio Petrolífero (SICOP) e pela Fiequimetal, no seguimento da greve “em defesa da contratação coletiva, pela manutenção dos direitos laborais e sociais e contra a repressão”.

HYN // JPS

Lusa/Fim

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)