Obituário

Fernando Rosas lembra papel marcante do dirigente do MRPP

Fernando Rosas, que juntamente com Arnaldo Matos, Vidaúl Ferreira e João Machado fundaram o MRPP, recorda o líder como "ativista político contra a ditadura" e com um papel fundamental na revolução.

Fernado Rosas conheceu Arnaldo Matos quando ambos eram estudantes da faculdade de Direito de Lisboa

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O historiador Fernando Rosas recordou esta sexta-feira o “papel marcante” de Arnaldo Matos como ativista e dirigente do PCTP/MRPP, no dia da sua morte, aos 79 anos.

Fernando Rosas, que juntamente com Arnaldo Matos, Vidaúl Ferreira e João Machado fundaram em 1970, na clandestinidade, o Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado (MRPP), lembrou em declarações à Lusa que conheceu Arnaldo Matos quando ambos eram estudantes da faculdade de Direito de Lisboa.

Nessa altura, Arnaldo Matos transformou-se “num dirigente político, num ativista político contra a ditadura, contra a guerra colonial”, lembrou Fernando Rosas.

O líder histórico do PCTP/MRPP foi “um dirigente estudantil com muita influência no final dos anos 60 [do século passado] princípios dos anos 70 e com ele com outros fundámos o MRPP, um partido muito marcante nos anos decisivos deste país, nos anos da revolução, nos anos imediatamente antes, durante e imediatamente depois da revolução, onde teve um papel marcante”, acrescentou.

Depois desse período, os percursos de ambos separaram-se “e cada um foi para o seu lado”, tendo Fernando Rosas sido mais tarde um dos fundadores do Bloco de Esquerda, em 1999.

Numa nota divulgada esta sexta-feira, o PCTP/MRPP refere: “É com uma profunda tristeza e um enorme vazio que vimos informar que faleceu há poucas horas o nosso querido camarada Arnaldo Matos, fundador do PCTP/MRPP e um incansável combatente marxista que dedicou toda a sua vida ao serviço da classe operária e a lutar pela revolução comunista e por uma sociedade sem classes”.

Arnaldo Matias de Matos nasceu na Madeira, em Santa Cruz, em 24 de fevereiro de 1939. Maoista, ateu e um dos críticos do PCP de Álvaro Cunhal, na defesa de que o “Estado só pode ser derrubado pela força das armas”.

Após o 25 de Abril de 1974, que derrubou o regime ditatorial, Arnaldo Matos e muitos militantes do MRPP continuam na clandestinidade e no ano seguinte é preso pelo COPCON, Comando Operacional do Continente, liderado por Otelo Saraiva de Carvalho.

É dessa altura que fica conhecida a frase, gritada por militantes e apoiantes do seu partido: “Liberdade já para o camarada Arnaldo de Matos”, que já era conhecido como o “grande educador da classe operária”.

Em 1982 abandona o PCTP/MRPP, mas nos últimos anos tornou-se um dos mais ativos militantes, com dezenas e dezenas de escritos na página do órgão oficial do partido, www.lutapopularonline.org, e criou uma conta no Twitter, na qual fez criticas ferozes ao primeiro-ministro, António Costa, e ao acordo de esquerda que permitiu o governo minoritário do PS.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Não haverá outro Zeca

Paulo Colaço
456

Hoje os diretórios partidários não sabem (nem querem saber) o que é um jornalista. Veem-no como um adversário, um obstáculo. Não admitem que um jornalista tenha o “seu” ângulo de visão. 

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)