Rádio Observador

Óscares

Olivia Colman, a favorita das favoritas, a atriz das rainhas

A Rainha Ana de "A Favorita" ganhou o Óscar de Melhor Atriz. Tinha de ser assim. E é um estágio para o que vamos poder ver na próxima temporada de "The Crown", quando for Isabel II.

AFP/Getty Images

Autor
  • André Almeida Santos

A rainha era a favorita e a favorita venceu. Olivia Colman e a sua Rainha Ana de Inglaterra, Escócia e Irlanda levou o Óscar de Melhor Atriz para casa. Surpresa? Não, era a favorita de todas as favoritas, das nomeadas e das suas colegas – Emma Stone e Rachel Weisz – que estavam nomeadas para Melhor Atriz Secundária pela sua prestação em “A Favorita”, de Yorgos Lanthimos. Sim, repete-se muitas vezes “favorita” neste parágrafo. Mas há uma razão: isto, apesar de tudo, foi algo inesperado. E “A Favorita” é um ótimo exercício das suas atrizes. E, bem, um ótimo documento sobre os riscos de se pisar os calos a alguém. Há sempre alguém com saltos maiores.

Colman, 45 anos, parecia mais surpresa do que nós por estar a levantar a estatueta. Talvez por ir um bocado contra a corrente do sistema, talvez pela sua cara estar mais associada à televisão. À televisão britânica. A sua carreira tem-se alimentado – sobretudo – disso. Deu nas vistas em “Peep Show”, “That Mitchell and Webb Look”, “Rev”, “Broadchurch”, “Fleabag” – a fabulosa série de Phoebe Waller-Bridge, também responsável pela não menos esquizofrénico-fabulosa “Killing Eve” – e neste ano vamos poder vê-la noutro papel de rainha, no de Isabel II na terceira temporada de “The Crown”.

Tanta rainha? Há mais, em “Hyde Park On Hudson” interpretou a mãe de Isabel II, ou seja, a Rainha Mãe, e enquanto Meryl fazia de Margaret Thatcher em “A Dama de Ferro”, Colman estava ocupadíssima em ser a sua filha, Carol Thatcher. Foi a única Thatcher na sua carreira? Também não, tem uma personagem chamada Doris Thatcher em “Hot Fuzz – Esquadrão de Província”. Isto já no cinema.

A inglesa já havia trabalhado com Yorgos Lanthimos, em “A Lagosta”, mas no geral a sua carreira no cinema é discreta, preenchida com papéis secundários ou de pouco destaque, com alguns filmes de relevo como “Tyrannosaur”, de Paddy Considine, ou quando foi só uma voz em “Locke”, de Steven Knight. Uma mulher da televisão transformada em estrela de cinema? Não, o humor e a extrema passividade em constante pânico de Olivia Colman só estavam à espera do momento certo que lhes servisse para um papel principal.

Em “A Favorita” serviu-nos o prato inteiro. Também mostra como sabe estar presente quando está ausente e contamina as outras duas protagonistas – Stone e Weisz – sem fincar o seu pé. Aliás, quando finca o seu pé, dói, mete um ponto final. É quando se percebe que ela esteve sempre lá e dominou a atenção do espectador durante mais tempo do que este entendeu. É uma conquistadora nata e, por isso, a figura de líder fica-lhe bem. A Rainha Ana foi certamente um estágio para aquilo que se verá em “The Crown”, de volta à televisão, mas agora com mais olhos a saberem o seu nome.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cinema

Consumismo cinematográfico

Ana Fernandes

Não estaremos a perder a magia do cinema? E o gosto pelos clássicos que notoriamente influenciaram os filmes que vemos hoje em dia? Estamos a consumir cinema como se de "fast food" se tratasse...

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)