O Estado português pode vir a perder mais de quatro milhões de euros relacionados com o jogo do Bingo.

De acordo com o Correio da Manhã, em causa está um pedido de insolvência que decorre em tribunal e que envolve a Pefaco Portugal, a holding espanhola que explora cinco casas de Bingo em Portugal desde 2016, mas que nunca cumpriu com os pagamentos.

A empresa, que detém cinco casas de jogos — Nazaré, Odivelas, Coimbra, Porto e Olhão —, não cumpre com o pagamento de impostos ao Estado praticamente desde que lhe foram atribuídas as concessões do Bingo. Segundo o CM, a Pefaco Portugal foi várias vezes multada por incumprimento e as concessões nunca lhe foram retiradas, segundo o que está previsto na lei.

Em junho de 2018, o Estado português foi informado do pedido de insolvência. A empresa foi chamada a pronunciar-se, mas não o fez.

Citado pelo CM, o gabinete da secretária de Estado do Turismo confirmou que “na sequência dos incumprimentos verificados, foi desencadeado o processo de rescisão dos contratos, tendo a empresa sido notificada em sede de audiência prévia”. O processo está agora em curso nos tribunais.

Em 2002, o Bingo atingiu o pico de faturação com 128 milhões de euros. Nessa altura, existiam 31 salas em Portugal. Em 1990 chegaram a ser 44.