Prada e Gucci foram algumas das empresas que, recentemente, se viram obrigadas a retirar produtos do mercado, por estarem a ser fustigadas com críticas de racismo. Nada que tenha inibido a não menos elitista Bugatti de chamar “La Voiture Noire” ao seu hiperdesportivo mais caro de sempre. O coupé negro custa 11 milhões de euros, antes de impostos, sendo “uma criação feita à medida, comparável apenas à alta-costura dos estilistas mais exclusivos de Paris”, defende a Bugatti.

O astronómico valor, que faz deste Bugatti o carro novo mais caro da história, explica-se pelo facto de se tratar de um exemplar único, que já tem dono. Naturalmente, o construtor francês não revelou o nome do comprador, apenas especificou que se trata de um entusiasta “fascinado” pelo Type 57 SC Atlantic de Jean Bugatti.

10 fotos

Seguindo os passos das últimas criações especiais da Bugatti, como o Divo, La Voiture Noire eleva o conceito de exclusividade a um patamar nunca antes visto. Todos os componentes deste desportivo one-off foram feitos à mão, com a carroçaria em fibra de carbono a exibir um brilho preto apenas interrompido estrutura de fibra ultrafina.  O designer da Bugatti, Etienne Salomé, não tem dúvidas quanto ao resultado final, do ponto de vista estético:

Para nós, este coupé tem a forma perfeita com o acabamento perfeito.”

Sob o capot encontra-se, como não poderia deixar de ser, o quadriturbo 8.0 W16, com 1.500 cv de potência e 1.600 Nm de binário. E, para relembrar que este 16 cilindros é uma obra de arte e de engenharia, o Bugatti La Voiture Noire exibe seis saídas de escape, para que não haja dúvidas que este não é um hiperdesportivo qualquer. E não é mesmo.