Dia da Mulher

Arménio Carlos diz que nenhum homem será “verdadeiramente livre” enquanto as mulheres forem discriminadas

"Esta não é já só uma luta das mulheres, é uma luta de todos", afirmou o secretário-geral da CGTP, que esteve com uma delegação da intersindical numa manifestação na baixa de Lisboa.

O secretário-geral da CGTP quis sublinhar que "continuamos a ter as mulheres a serem discriminadas salarialmente" e que "há muito direitos consagrados na lei que depois não são efetivados"

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, defendeu este sábado, durante uma manifestação nacional pelos direitos das mulheres, que esta é uma luta que se estende também aos homens porque nenhum “será verdadeiramente livre” quanto existirem mulheres discriminadas.

Uma delegação da intersindical CGTP esteve este sábado na baixa de Lisboa a saudar aqueles que participaram na manifestação nacional de mulheres, organizada pelo Movimento Democrático de Mulheres.

Foram vários milhares de pessoas que se juntaram na Praça dos Restauradores, e marcharam pelas ruas da baixa de Lisboa.

Pelo caminho, Arménio Carlos saudava estas mulheres e homens e batia-lhes palmas, cumprimentando aqueles que o reconheciam.

Em declarações à agência Lusa, o secretário-geral destacou que “há muito direitos consagrados na lei que depois não são efetivados no terreno, nomeadamente na área laboral”.

“Continuamos a ter as mulheres a serem discriminadas salarialmente, a continuarem a ser a maioria das trabalhadoras que ganham o salário mínimo nacional”, referiu, apontando que as mulheres “continuam a ser confrontadas com a precariedade, mas não só, também com o condicionamento, o impedimento da efetivação de direitos de maternidade e paternidade, inclusive de amamentação”, acrescentou o líder da CGTP.

Arménio Carlos defendeu que “esta luta tem de continuar porque esta não é já só uma luta das mulheres, é uma luta de todos os homens e mulheres”, justificando que “o que está aqui em causa são direitos fundamentais para a evolução da sociedade”.

“E nenhum homem será verdadeiramente livre enquanto continuarmos a ter mulheres discriminadas”, vincou.

Questionado sobre o papel da CGTP nesta luta, o líder sindical assinalou que “enquanto esta situação se mantiver, a CGTP e os seus sindicatos tudo farão, por mais dificuldades que tenham pela frente, para concretizar aquilo que está na lei da contratação coletiva”.

“Ou seja, as pessoas, os trabalhadores e trabalhadoras têm deveres, cumprem com os meus deveres, [pelo que] têm razões acrescidas para exigirem o respeito pelos seus direitos”, frisou, acrescentando que “nenhum local de trabalho pode ser um local fechado ao exercício dos direitos individuais e coletivos, particularmente, neste caso em concreto, aos direitos das mulheres”.

Em causa está o acesso das mulheres “ao direito de amamentar os seus filhos, ao direito de pedir a flexibilidade do horário de trabalho para acompanhar os seus filhos, ao direito de exercer os seus direitos”, indicou.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)