Rádio Observador

Fiat

Parece que, afinal, o Fiat Punto não foi enterrado

Marchionne sempre se queixou dos prejuízos do 500 eléctrico. E também foi ele quem decidiu acabar com o Punto. Porém, o lugar que deixou vago foi ocupado por um líder com outras ideias para a FCA.

Sergio Marchionne foi um dos mais carismáticos líderes da indústria automóvel na história recente. Sem “papas na língua”, o antigo CEO da Fiat Chrysler Automobiles (FCA) nunca se inibiu de dizer o que pensava, mesmo que isso não fosse política ou institucionalmente correcto. Porém, a sua inesperada morte deu lugar a uma nova liderança, encabeçada por Mike Manley, que até ao falecimento do gestor italiano estava à frente da Jeep e da Ram. Ora, a última edição do Salão de Genebra permitiu perceber que, em pouco mais de seis meses, Manley tratou de “dar uns toques” à estratégia que foi ditada por Marchionne. Nomeadamente, para a Fiat.

A marca transalpina surpreendeu tudo e todos no certame helvético ao apresentar um concept eléctrico, barato, e personalizável conforme o gosto e o orçamento de cada um. Há quem diga que o Concept Centoventi vai servir de base para a futura geração do Panda. Mas, mesmo que assim seja, continua a existir espaço para dois modelos: um 500 eléctrico e um sucessor do Punto.

A primeira experiência do construtor italiano com um 500 a bateria cingiu-se ao mercado norte-americano, o que não a impediu de acumular prejuízos. A ponto de Marchionne quase ‘agradecer’ que não lhe comprassem este modelo, para evitar perdas de 20.000 dólares por unidade. Porém, as cada vez mais apertadas normas antipoluição obrigaram o próprio gestor italiano a rever a sua posição e, mais do que isso, a anunciar (um mês antes de falecer) que também a Europa teria direito a um 500e, com mais potência e autonomia. Nesta edição do Salão de Genebra, responsáveis da Fiat não só confirmaram o que Mike Manley já tinha feito saber (que o novo 500e vai ter direito a uma nova plataforma e ser produzido em Miriafori, Itália), como revelaram quando e onde poderemos conhecer o novo 500 eléctrico. Será já para o ano, precisamente na próxima edição do Salão de Genebra. Resta saber se será também esse o palco eleito para trazer de volta o Giardiniera.

……oggi si segna la fine di un epoca memorabile per noi e per il settore industriale italiano. Dopo 25 anni di…

Posted by Max Capano on Friday, July 27, 2018

E quanto ao Punto? Aí parece que o novo “patrão” da FCA não concorda com o desaparecimento do modelo, com fontes da marca a avançarem que Mike Manley gostaria de voltar a colocá-lo de novo na rua. Recorde-se que, durante anos, o hatchback italiano teve mais de 500 mil unidades produzidas anualmente e garantiu um posto de trabalho a milhares de pessoas em Melfi.

O site Autodato avança que, segundo o director de Marketing da Fiat, Olivier François, o hatchback pode regressar como um carro totalmente novo para o segmento dos compactos. Mas não será para já. Ou seja, depois do Punto final, as reticências. Só o tempo e os protótipos que forem apanhados em testes nos poderão vir a esclarecer quanto à pontuação certa.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)